Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Embargos de declaração de indenização

Petição - Civil e processo civil - Embargos de declaração de indenização


 Total de: 15.244 modelos.

 

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - INDENIZAÇÃO - PREQUESTIONAMENTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR-RELATOR DA APELAÇÃO CÍVEL Nº _________.

CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO _________

MUNICÍPIO DE ____________, pessoa jurídica de direito público interno, com sede e foro nesta cidade de ____________, na Rua _________, nº ____, Centro Administrativo Municipal, sito no Bairro _________, inscrito no CGC/MF sob nº _________, por seus procuradores, nos autos do processo nº _________, recurso de apelação cível em que figurou como apelante, sendo apelada a menor _________, representada por seu pai ____________, vem, mui respeitosamente, perante Vossa Excelência, com fundamento nos artigos 535 e 188, ambos do CPC, interpor os presentes embargos de declaração ao v. acórdão, folhas 217 a 223, para que desapareça omissão, obscuridade e contradição surgida na leitura, e a possibilitar o devido prequestionamento. Para tanto expõe e requer o que segue:

Razões do Embargante

I - Da omissão

1.1 - De início, coloca-se que a "...A parte tem direito à entrega da prestação jurisdicional de forma clara e precisa. Cumpre ao órgão julgador apreciar os embargos de declaração com espírito aberto, entendendo-os como meio indispensável à segurança nos provimentos judiciais" (RTJ, 138/249)

1.2 - O v. acórdão prolatado nos autos da apelação cível acima epigrafada, reformou, em parte, a decisão do MM. Juízo "a quo", mantendo a condenação do Município ao pagamento de indenização à menor _________, pelo dano sofrido no interior de estabelecimento educacional mantido pela Municipalidade. Diz a ementa do acórdão, em sua parte final, ao fixar o "quantum" indenizatório devido pela Municipalidade à autora:

(...)

Danos morais rebalizados, ajustando-se a um quadro de realidade.

Danos materiais que restam mantidos, inclusive quanto ao percentual de perda de atividade.

1.3 - Consta do acórdão que a condenação do Município engloba indenização por dano moral, rebalizados ao valor de _________ reais, acrescido de danos materiais, nos termos fixados na sentença, abrangendo esses despesas com cirurgias, próteses, despesas com tratamento médico-psicológico, a ser apurado em liquidação de sentença por arbitramento, despesas essas comprovadas nos autos, mais o pagamento de pensão, a qual valorou em "50% do salário mínimo a partir da idade em que legalmente a menor poderia passar a exercer atividade laboral rentável".

1.4 - Ocorre, Excelência, que tanto na sentença quanto no acórdão, não constam os termos iniciais para pagamento dos valores da indenização, quer seja a título de dano moral ou patrimonial, cuja omissão, certamente num futuro próximo causará acirrada discussão. A fim de evitar-se a continuidade da contenda, em sede de execução, evitando-se prejuízo à Municipalidade, bem como à autora, entende-se mister o afastamento das seguintes omissões:

1.4.1. A fixação da data em que são devidos os _________ reais deferidos a título de dano moral, data essa, portanto, em que começará a contagem da atualização monetária e juros moratórios;

1.4.2. O termo inicial e final do pagamento da pensão. Segundo a sentença, dita pensão é devida a contar da data em que a autora poderia legalmente passar a exercer atividade laboral rentável, sendo essa vitalícia. Importa nesse particular, a nosso juízo, esclarecer se a atividade laboral rentável, a que alude a sentença, refere-se à idade mínima a partir da qual a autora poderá exercer atividade profissional remunerada, excluída a possibilidade de receber remuneração na condição de aprendiz, ou se outra é a forma determinada pela decisão.

II - Da Contradição

2.1 - No acórdão ficou consignado que:

Já no que pertine aos danos materiais, abrangem estes cirurgias, próteses, despesas com tratamento médico-psicológico, o que se deverá apurar em liquidação por arbitramento. É claro que a omissão sentencial, quanto à modalidade de liquidação, não impede que desde já se vá resolvendo esta questão.

Aliás, faço um registro: a sentença deferiu danos patrimoniais "comprovados nos autos", além da pensão. Ou seja, concedeu a indenização sobre os danos materiais acima referidos, além da pensão.

2.2. Tendo sido mantidos os valores da condenação a título de danos materiais, nos termos já registrados da ementa, o que se depreende é que os danos materiais ressarcíveis correspondem tão-somente aos gastos comprovados nos autos, nada mais. Ditos gastos comprovados nos autos, serão apurados e atualizados por meio da ação de liquidação de sentença por arbitramento.

2.3 - Todavia, no acórdão ficou consignada como danos materiais as despesas realizadas com tratamento médico-psicológico, dentre outros. A contradição aqui se revela em razão das razões de decidir da Magistrada "a quo", que ao condenar o Município ao pagamento relativo aos danos morais sofridos pela autora, assim se manifestou:

Cumpre, por necessário, observar o fato de que os danos morais, por mais abrangentes, englobam os estéticos , o mesmo ocorrendo com os psíquicos. Não há, pois, confundir as importâncias a serem dispendidas com o tratamento psíquico a que a infante deverá ser submetida, com danos patrimoniais: tais despesas são os reflexos patrimonias decorrentes dos danos morais sofridos pela menina

2.4 - Quer parecer, acertadamente, que ao julgar a ação indenizatória na 1ª Instância, a magistrada excluiu do montante a ser pago à autora em decorrência dos danos materiais sofridos, os valores correspondentes às despesas gastas em razão do tratamento psicológico necessário, uma vez que esses fazem parte do montante correspondente aos danos morais indenizáveis. Inclusive quando da fixação da quantia devida a título de danos morais, foram, em ambas as decisões (1º e 2º Graus), considerados os valores costumeiramente cobrados em tratamentos psicológicos.

2.5 - Assim, a referência, no acórdão, que os danos materiais se referem, dentre outros, ao ressarcimento das despesas com tratamento médico-psicológico, ensejou a contradição entre as decisões, já que os danos materiais não foram alterados em 2ª Instância, visto que em 1º Grau tais despesas com tratamento psicológico foram retiradas no montante referente aos danos materiais, para comporem os danos morais. Entendimento contrário, salvo melhor juízo, caracterizaria "bis in idem", já que ditas despesas serão ressarcidas duplamente.

2.6 - Outra contradição que gera dúvidas na interpretação do "decisum" refere-se a qual a modalidade de responsabilidade que originou a condenação do Município. Na ementa, ficou consignada a existência de culpa do Município na escolha indevida do revestimento do piso do educandário. Contudo, no voto, ficou consignada que a responsabilidade do Município se assenta no risco (art. 37, par. 6º, da CF/88). Ao depois, Vossa Excelência, continua na fundamentação do voto, nos seguintes termos: ... Vejo, até, culpa , além do risco que já bastaria para estabelecer ao crivo do art. 37, par. 6º, da CF/88, a responsabilidade do órgão público. Ao que indicam os termos do acórdão, a Municipalidade foi condenada pela sua responsabilidade objetiva e subjetiva na realização do evento danoso. Todavia, o dispositivo constitucional está, no acórdão, coligado à responsabilidade objetiva do ente público municipal, não havendo sua conexão com a responsabilidade subjetiva admitida pelos julgadores. Entende-se que há necessidade de esclarecer se houve responsabilidade subjetiva, da municipalidade, na modalidade culpa, e o correspondente dispositivo legal incidente, prequestionando-o, a fim de que a Municipalidade, nos termos constitucionais, possa, se for o caso, ajuizar ação regressiva contra os agentes municipais responsáveis pela causa do evento danoso.

III - Do prequestionamento

3.1 - Requer-se, ainda, o prequestionamento da ocorrência de decisão "ultra petita", uma vez que na inicial a autora requereu pensionamento até completar 70 anos de idade (conforme consta no relatório da sentença, folha 167), e a sentença condenou o Município ao pagamento de pensão vitalícia. Dessa forma, a sentença, confirmada, nesse aspecto, pelo acórdão, está em desconformidade com as disposições do artigo 460 do CPC, ensejando viabilidade de recurso especial, para o qual é indispensável a discussão da matéria em 2. Instância.

IV - Do Requerimento

4.1 - Diante do exposto, forte nas disposições do artigo 535 e seguintes do CPC, requer, respeitosamente, o Município de ____________, embargante, que o presente recurso de embargos de declaração seja recebido e conhecido, na íntegra, bem como sejam aclarados os pontos suscitados como omissos, obscuros e contraditórios, demonstrando, igualmente, quais os dispositivos legais de que Vossa Excelência se valeu ou interpretou para conceder o direito invocado pela parte apelada.

4.2 - Assim, pretendendo esclarecer a decisão condenatória contra a Municipalidade, evitando discussões futuras entre as partes, dadas as questões não suficientemente esclarecidas no v. acórdão, bem como submeter a matéria aos Tribunais Superiores, vê-se o embargante na contingência de opor os presentes Embargos de declaração, para o fim de obter o necessário prequestionamento (Súmulas 291 e 356 do STF)

Termos em que

Pede e espera deferimento.

____________, ___ de __________ de 20__.

____________
OAB/


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Execução hipotecária em face de descumprimento contratual
Requerimento para devolução de objeto depositado
Embargos à execução, sob alegação de conexão, carência de ação e juros abusivos, além de outros e
Ação de prestação de contas de intituição financeira
Impugnação ao valor da causa, requerendo-se a alteração de rito sumário para o ordinário
Apelação de ação de despejo
Ação monitória interposta em face de cheque prescrito
Interposição de ação monitória, ante a falta de pagamento de serviços médicos
Impugnação à contestação, em ação de usucapião
Ação interposta para fins de declaração de ausência de relação jurídica
Ação de usucapião extraordinária (04)
Ação cominatória interposta para a entrega de documentos de veículo adquirido e inteiramente quit