Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Alegações finais em processo-crime, alegando-se falta de provas para condenação do réu

Petição - Penal - Alegações finais em processo-crime, alegando-se falta de provas para condenação do réu


 Total de: 15.244 modelos.

 
Alegações finais em processo-crime, alegando-se falta de provas para condenação do réu pelos crimes de roubo e de corrupção de menores.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CRIMINAL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

PROCESSO-CRIME Nº .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência apresentar

ALEGAÇÕES FINAIS

pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

O réu foi denunciado, pelo cometimento dos delitos previstos no artigo 157, parágrafo 2º, inciso II, do CP, e artigo 1º, da Lei nº 2.252/54, c.c. o artigo 70, do CP.

Finda a colheita de provas, em suas Alegações Finais pugna a ilustre representante do Ministério Público, pela condenação do réu nas sanções dos precitados dispositivos.

O pleito, todavia, não merece acolhida, fazendo-se imperativa a absolvição do réu.

De fato, as práticas delitivas não restaram comprovadas como se demonstrará a seguir.

a) Quanto ao Crime de Roubo Qualificado. Relativamente a esse delito, não restou evidenciado seu cometimento pelo réu, certo que a palavra da vítima, no contexto, soa contraditória.

Veja-se que, ouvido na fase judicial, o réu nega de forma peremptória a acusação, afirmando:

"Que não é verdadeiro os fatos narrados na denúncia, já que não participou do furto que menciona a denúncia" (fls. ....).

A testemunha ...., que socorreu a vítima, dá conta do fato de não saber a mesma quem a havia atacado:

"Que a mesma lhe disse que havia sido roubada por duas pessoas e que não sabia quem eram elas ..." (fls. ....).

Ante a insuficiência de provas de ter o réu praticado a infração, sua absolvição é de rigor.

b) Quanto ao Crime de Corrupção de Menor. A ausência de certeza quanto ao cometimento da prática delitiva (roubo) por parte do réu, importando em sua absolvição, torna prejudicado o delito em apreço.

Todavia, admitindo-se ser o mesmo o autor do delito de roubo (o que se faz apenas para argumentar), não há como imputar-lhe o delito de corrupção de menor.

Para que tal crime se verifique, é mister a ocorrência de dois requisitos:

"Que haja prova de que antes do fato o menor não era inteiramente corrompido e que, em face da conduta do agente, se torne corrupto ou tenha facilitada a sua corrupção" (in Questões Criminais", Damásio E. de Jesus, 1986, p. 128).

Ocorre que o menor .... é pessoa de há muito corrompido, fato este de conhecimento geral.

O próprio menor, quando ouvido perante a autoridade policial, traduz a ausência de "inocência moral", quando relata:

"Que o declarante tem várias passagens por esta Delegacia, porquanto no fim do ano passado furtou várias bicicletas, participou de arrombamentos ..." (fls. ....).

DO DIREITO

É posição pacífica na jurisprudência, a exigência daqueles dois requisitos, de molde a ensejar o reconhecimento do delito de corrupção de menores, não se verificando o mesmo quando o menor, como no caso em tela, já era moralmente corrompido.

Assim têm decidido nossos Tribunais:

"Corrupção de Menor - Inexistência de provas a demonstrar o nexo causal entre a participação nos delitos e a corrupção - Delito não configurado - Recurso provido - Inteligência do art. 1º da Lei nº 2.252/54.
Corrupção de Menor - Ausência de qualquer prova - Delito não caracterizado. Recursos dos réus providos em parte. Recurso da Justiça Pública improvido." (Revista dos Tribunais, 609/354).

"Corrupção de Menor - Delito não configurado - Menor que participa de furto com o acusado - Inimputável já corrompido - Inteligência do art. 1º da Lei nº 2.252/54.
Não configura o crime previsto no art. 1º da Lei nº 2.252/54 a participação de menor em crime de furto, quando este já teve várias passagens anteriores em instituições correcionais pelos mesmos motivos." (Revista dos Tribunais, 570/360).

"Corrupção de Menor - Delito não configurado - Participação em crime de furto com réu maior - Menor já corrompido - Absolvição decretada.
Não se configura o delito de corrupção de menores quando o menor já é corrompido. Pena exacerbada. Provimento parcial do apelo." (Revista dos Tribunais, 578/400).

DOS PEDIDOS

Em face do exposto, a absolvição do réu, dos delitos a si imputados, é medida que se impõe, por ser da mais lídima Justiça!

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Pedido de liberdade provisória por parte de réu preso em flagrante
Pedido de arbitramento de fiança, com a consequente expedição de alvará de soltura
Conflito positivo de competência, para execução penal em localidade diversa da que o réu foi cond
Razões de agravo em execução de dispensa e cometimento de novo delito
Alegações finais em homicídio culposo
Pedido de concessão de livramento condicional
Pedido de liberdade provisória, ante decretação de prisão sem os requisitos necessários para tant
Alegações finais em processo-crime
Recurso e razões de negativa de autoria e falta de provas de furto qualificado tentado
Instauração de incidente de responsabilidade penal
Agravo em execução em face de decisão que declarou incompetente a Vara Criminal para execução da
Requer a reapreciação da matéria objeto do litígio (01)