Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Constitucional Ação civil pública promovida pelo Ministério Público, a fim de retirar do ar programa de televisão anti-ético

Petição - Constitucional - Ação civil pública promovida pelo Ministério Público, a fim de retirar do ar programa de televisão anti-ético


 Total de: 15.244 modelos.

 
Ação civil pública promovida pelo Ministério Público, a fim de retirar do ar programa de televisão anti-ético.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

O Ministério Público do Estado de ...., por meio do Promotor de Justiça infra-firmado, com atuação junto à .... Promotoria de Justiça da Cidadania da Capital, vem propor a presente

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

em face de

....., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o n.º ....., com sede na Rua ....., n.º ....., Bairro ......, Cidade ....., Estado ....., CEP ....., representada neste ato por seu (sua) sócio(a) gerente Sr. (a). ....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG nº ..... e do CPF n.º ..... e ....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

O acionado ........, o ".......", vem construindo nos meios eletrônicos de comunicação uma carreira ascendente, iniciada, até onde registrem os noticiários, com o programa "......", exibido pelo "......", Canal ...., típico de notícias policiais e matérias correlatas, vindo depois para a ........... de Televisão, onde protagonizou dois outros programas, ou seja, o "........" e o ".........", com os quais manteve-se no ar até o mês de ........ do ano em curso, quando foi contratado pelo ......., onde encabeça unicamente o "......", diário e levado ao ar sempre às ...h:...m.

Pode-se dizer que um estilo envolve sempre os produtos de mídia nos quais o referido apresentador pontifica, vale dizer, uma fórmula o acompanha desde que passou a ser reconhecido, a qual se identifica, em verdade, com um culto ao cru, ao rasteiro, ao chulo e ao violento, que são sempre destacados elementos de sua gramática comunicativa, responsável pela apreensão da atenção do telespectador pelo veio emocional e cáustico dos "dramas da vida", não só objeto de sua narrativa mas também de sua intervenção messiânica, como última instância de julgamento, e à parte dos meios institucionais, que restam, assim como os demais valores morais e éticos do mundo civilizado, achincalhados e postos, ademais, sob a vergasta de um temerário e solene desprezo.

Realmente, toda arquitetura e estética dos espetáculos conduzidos pelo aludido apresentador tem estrutura peculiar, assentada no insólito, no ridículo e no agressivo, numa fusão explosiva dos modelos das já esquecidas "lutas - livres" com o "Povo na Tevê", resultando disso um conteúdo que não forma, não informa e, antes, deseduca, criando um ambiente de "despromoção humana", no qual o aturdido espectador sorve talagadas de mensagens negadoras dos valores ético-sociais e ingressa, pelas mãos de "....." - sempre a estrela principal - no universo apedêutico de suas mensagens setenciosas. Dessa maneira, ora a tela se enche com as mutilações físicas de alguma criança ou adulto, com "takes" de não se perder nesga de detalhe, expondo-se cada qual como "avis rara" de um zoológico virtual, ora nela se engalfinham pessoas simples, paupérrimas, doentes, carentes, desafetadas, seja por um desencontro familiar, seja por uma pequena dívida, seja, ainda, por questiúnculas de vizinhança, sempre, vale dizer, como ápice de uma altercação verbal em que expressões de calão são utilizadas à larga. A legião de mutilados docilmente se submete, ciente de que paga o preço de uma esperança de tratamento ou cura, topando a ridicularia apenas por isso, ciente de que caso se abstenha e não sirva à elevação dos índices do IBOPE o lugar comum de suas dores subsistirá, aguilhoada pelo pendular destino da dependência da omissão dos serviços de saúde - "......." - ou do índice de interesse comercial em seu aleijão. Entrega-se, ademais, a multidão carente, expondo a intimidade de seus conflitos em permuta de uma solução arbitrada pelo totem eletrônico desta pós-modernidade, gerador da única realidade válida e legitimante destes tempos, a tevê, 'instituição' capaz de gerar uma realidade idêntica entre ricos, pobres e remediados, porque os permeia a todos num aldeamento virtual.

Falando nisso, por exemplo, e apenas para mencionar alguns episódios da série nefanda desse "quisto da tevê brasileira", no último dia ..... de ......., em horário nobre, pretextando informar seus espectadores, o apresentador levou ao ar uma grotesca 'matéria' sobre o assassinato de uma garota de programas, acontecido na cidade de ........, no qual a vítima foi arrastada por uma caminhonete ao que tudo parece indicar - ou uma van, pondo na tela seu corpo mutilado e retalhado, no local e no IML, mostrando-o sob todos os ângulos, sobre o qual, e com visível preocupação de apenas somar pontos no IBOPE, encenou um discurso furibundo contra os matadores, arrogando-se o direito a ser a última tábua de salvação da família da vítima e testemunhas do evento, tudo de modo a produzir, enfim, uma "mexicanização" patética de uma tragédia real e abominável - sem dúvida -, mas sem respeito, quer ao cadáver, quer à família da vítima e tributando apenas reverência ao ascendente principal de sua teogonia própria, qual seja, o lucro com os índices de medição de audiência.

E assim orientado, de fato, sua preocupação é trazer à lume desavenças, intrigas familiares, tapas, chutes e pontapés. Na última semana, em conformidade com as fitas gravadas que seguem com a presente, no palco do programa desfilaram os casos de pessoas que se desavinham por conta de uma quizila na venda e uso de telefones, cuja discussão se iniciou com xingamentos recíprocos e exposição dos contendores à uma espécie de injúria pública, culminando, depois, com um alastrado corpo a corpo no qual o próprio '...........' acabou envolvido; na mesma semana, depois de uma anã que ali compareceu para 'tirar a roupa para todo Brasil' um casal apareceu para resolver uma pendenga que tinha com a sogra, quem pretendia permanecer com seus filhos - netos dela -, iniciando-se em seguida uma 'forte discussão' com ofensas verbais onde expressões inenarráveis vêm ao ar seguidas, é claro, de sopapos, beliscões, chutes, tudo ao som de uma platéia fixa, que ordenadamente grita - como na arena romana - "porrada!...,porrada!", ao que tudo indica orquestradamente, como que dando cumprimento a um roteiro. A cena é de lastimar, saindo a mulher carregada por um "bruta - montes", que junto a outro, permanecem sempre em cena como se fossem "seguranças". Aliás, que a violência ali seja emblemática não se discute, a começar pelo fato de o apresentador manter junto de si, permanentemente, um 'cacetete', que, afinal, se inclui no "lay out" do símbolo utilizado para a publicidade.

Bizarria, com efeito, é o quanto não falta, e, para opróbrio dos espectadores, à certa altura o personagem central refere-se à sua banda de palco como uma autêntica "banda de zona", apontando parte do cenário como típico de um "puteiro", em mais uma auto-infamante manifestação apelativa. Quando não, manda pôr no ar a foto de alguém, que teria abandonado a mulher, dando-lhe nome e qualificação, a quem se dirige, sem saber bem qual o caso e seus contornos, espicaçando, acoimando-o "covarde", dentre outras ofensas.

O clima, portanto, é daqueles sempre suscitados pelo estilo "programa verdade", cuja origem, por sinal, se deu no exterior, carcomendo as tradições culturais de países como a Itália, a Inglaterra, os EUA, de onde foi importado como um dos chamados "enlatados" que no cone Sul ainda se come frio após as rejeições sadias do hemisfério norte. No Brasil, particularmente, trata-se de fórmula requentada da versão 'anos setenta' do "Homem do Sapato Branco", dentre outros do gênero, cuja pretensão sempre presente - e sublinhada - é a demonstrar a "realidade nua e crua" das ruas e dos brasileiros.

Se fosse assim, sabe-se, já seria afrontoso, mas o pior é que a "realidade", conforme tem-se descoberto, é somente um pretexto, porque em verdade a imprensa crítica vem alumbrando os bastidores da produção do dito programa televisivo, de onde extraiu o embuste como método aparente de trabalho, a farsa como fórmula principal de atuação. Fala-se da reportagem da "........", publicada em data de .... de ......., p. p., na qual vieram à tona os casos de ......., ........, ...... e ......, cada qual narrando uma história de aventura teatral, por conta da qual, e em troco de R$ ......., foram exibidos no tal programa encenando histórias falsas, auto-deprimentes, passando cada qual por um papel aviltante, de falso marido traído a falso amante, os quais narraram, para a imprensa e para o subscritor, terem sido convencidos apenas pelo dinheiro e sem consciência exata da dinâmica na qual se envolveriam, recebendo apenas a orientação no sentido de uma vez no palco tornarem-se violentos, hostilizarem ao máximo os oponentes, agredindo-os mesmo, sem qualquer reserva, a fim de convencerem a todos da veracidade da cena.

Foram recrutados, todos, nos ambientes mais simplórios da periferia, submeteram-se, e depois amargaram, como ocorre até hoje, as conseqüências da aparição, que lhes agregou a imagem ali encenada, com todos os incômodos posteriores presumíveis. Outros tantos casos estão sendo trazidos e colacionados pela imprensa no dia-a-dia, revelando o embuste e, além do mais, o abuso da boa-fé do público. Como se tudo, ainda que verdadeiro, já não fosse recriminável, a adição da farsa e ausência de escrúpulo apenas reforça a idéia insubstituível que se faz a seu respeito, ou seja, tudo ali se topa por dinheiro, nada obstante a honra, a dignidade humana e o respeito à pessoa seja a tônica do discurso contraditório do apresentador.

O fato que aqui se discute, realmente, é da maior importância. Um país como este tem peculiaridades que não podem ser ignoradas, a principal delas, aliás, dizendo respeito ao aspecto de que 60% (sessenta por cento) de sua população não tem outra fonte de informação que não seja a tevê, razão pela qual, tal como afirmado pelo jornalista .........., diretor da revista "........", importe extraordinariamente que não se fale somente em um direito à informação, mas sim em um "direito à informação qualificada" ("O Direito à Informação Qualificada", inserto em "Informação e Poder", Ed. Record, ed. 1994, pg. 95), sob pena de que as coisas prossigam na mídia como anteriormente - e de maneira assumida - se expressava "Chacrinha", ou seja, mais inclinadas à confusão do que à explicação. A importância da mídia nos dias de hoje e seu inesgotável poder de influência, como se sabe, tem sido objeto de estudos e preocupações freqüentes, tendo-se colhido em debate havido em reunião da Sociedade Brasileira Para o Progresso da Ciência uma significativa manifestação do internacionalmente respeitado sociólogo brasileiro, Otávio Ianni, segundo quem "com essa mídia não se constrói uma nação" (op. Cit., art. José Monserrat), frase na qual se sintetiza, realmente, um justificado receio acerca de seu vultoso poder, inclusive destrutivo, como não se ignora. A propósito, o homem de mídia e talvez o maior publicitário do país, Washington Olivetto, não desconhece o alto poder de influência da mídia, afirmando que nem mesmo produtos de reconhecida idoneidade nacional resistiriam a quinze minutos de informação negativa de determinados jornais televisivos em rede nacional (cit. p/ José Paulo Cavalcanti em "E Lord Jones Morreu. Discurso Por Controles Democráticos dos Meios de Comunicação", artigo publicado na obra "Informação e Poder", pg. 58).

José Paulo Cavalcanti, aliás, na condição de ex-secretário Geral do Ministério da Justiça, analisando a mídia e seu poder sentencia que "os meios de comunicação representam a melhor garantia de ampla expressão do pensamento e de fiscalização das ações públicas. Mas, à margem dessa matriz emancipadora, em que a informação funciona como instrumento de liberdade, temos também as implicações de suas disfunções, onde ela resta à disposição dos grandes interesses; de alguma maneira se poderia dizer que, assim como não há democracia sem meios de comunicação livres, igualmente não há democracia com meios de informação livres, sem qualquer espécie de limite" (op. Cit. pg. 31). Realmente, a ausência absoluta de formas de controle - inconcussamente distintas de censura - pode permitir um concubinato deletério entre abjeção e o poder econômico, ou entre a amoralidade e o poder político, num suculento e nefasto banquete em louvor da perpetuação da ignorância, e tudo sob uma capa equívoca de manifestação da liberdade de expressão, tendente a confirmar o quanto com tanta propriedade já salientou Eduardo Galeano, sobre serem estas circunstâncias aquelas em que os fins não justificam os meios, porque os meios - de comunicação - passam a justificar os fins (cit. p/ José Paulo Cavalcante, op. Cit.).

A verdade inolvidável, realmente, é a de que a sociedade acaba se moldando por influência dos meios de comunicação e a reprodução exaustiva de seus clichês, seus modelos, de tal maneira que sua imagem especular, em lugar de refletir dada realidade acaba por impor aquela nela exposta, num jogo interativo em que a passividade do espectador pode passar a ser cultivada de modo temerário. Em reflexão sobre o tema, aliás, o Prof. Cristóvam Buarque, ex-reitor da UNB, revelou apreensão relativa à possibilidade de que a população brasileira tenha realçada uma extensa camada dos que ele classifica como 'metabólicos' - em contraposição aos que ele chama 'parabólicos' -, ou seja, aquela repleta de indivíduos que, à falta de programação de qualidade, terão uma televisão como extensão de seus braços, vale dizer, que não os ensinará a pensar e, ao contrário, "levará a não pensar" ("Parabólicos e Metabólicos", artigo inserto em "Informação e Poder", op. Cit., pg. 75). Por essa razão, de fato, os meios de comunicação de massa ocupam os estudiosos contemporâneos, especialmente aqueles que tributam ao seu uso democrático e sadio uma preocupação edificante, pois é impossível não subscrever a idéia de Mc Luhan sobre ter-se tornado a própria informação hoje um bem econômico de primeira grandeza, o que levou Umberto Eco, por exemplo, a afirmar que na atualidade somente países fascistas e subdesenvolvidos ainda carecem de generais e tanques para a escalada do Poder, bastando para uma revolução, com certeza, uma cadeia de rádio e televisão, sofrendo o cidadão hoje um permanente chamado à lassidão mental, de tal modo que os meios de comunicação de massa incontidos timbram como inexcedível sua asserção: "quando triunfam os meios de massa, o homem morre" (Citados em "A imprensa, a proteção à intimidade e o processo penal", de J.J. Calmon de Passos, publicado na Revista Forense, n.o 324).

Do exposto, como visto, resulta absolutamente claro que a questão da mídia, seu poder de informação e a sociedade de massas tem repercussão social irretorquível, de maneira a ser determinante numa sociedade democrática que sobre ela se instalem discussões, mesmo porque as conseqüências da omissão nesse caso são de nocividade incalculável. A propósito, conforme publicação do jornal "......", edição de .../... p.p., professores e especialistas debateram tais questões, valendo realçar a manifestação do Prof. Ciro de Figueiredo, diretor do Colégio Friburgo e presidente do Grupo - Associação de Escolas de São Paulo, no sentido de que, com efeito, a tevê não apenas reproduz o mundo mas o cria também, reputando por isso extremamente importante a discussão sobre tema. Na mesma ocasião, ainda, Beth Carmona, ex-diretora de programação da TV Cultura, não hesitou em realçar, pelas mesmas razões, a necessidade de meios de controle da televisão, até por ser uma concessão pública. Vai daí que os fatos narrados nesta prefacial sobre o programa televisivo em foco ganham importância, sim, na medida que representam um ponto de vulnerabilidade a ser tratado sem peias ou preconceitos e sem, também, refratariedade de pantomimas liberais, sempre a serviço de intenções subreptícias das mais recrimináveis.

Calha observar que a sociedade brasileira, inegavelmente, é caracterizada pelo processo estrutural da negação da identidade social e política dos sujeitos históricos, destacando-se nessa circunstância a relevância o trabalho da mídia, instando que se considere a hipótese de controle social da informação, ou sobrevirá a manipulação via desinformação, ou seja, a informação perversamente intencionada (Francisco de Oliveira, cit. por J.J. Calmon de Passos, op. Cit.).

DO DIREITO

"O Direito à Informação na perspectiva do emissor se configurou como poder, tanto político quanto econômico. E quando isso ocorre o Direito se desfuncionaliza e em lugar de servir o homem se torna instrumento de sua dominação" ( J.J. Calmon de Passos).

O constituinte de 1988, purgando a mora histórica da sociedade brasileira, salientou no art. 1o, da Constituição Federal, que a República Federativa do Brasil constitui-se num Estado Democrático de Direito, e sobretudo sobre alguns fundamentos especiais, dentre os quais hão de ser ressaltados a cidadania e a dignidade da pessoa humana. Pode-se dizer, conseguintemente, que são em verdade princípios fundamentais do Estado brasileiro, indispensáveis, como se sabe, para a consecução seus fins principais, dentre os quais se insere, em conformidade com o art. 3o, da Constituição Federal, aquele de se construir uma sociedade livre, justa e solidária. Explicitando o significado da expressão conceitual "cidadania", o Prof. José Afonso da Silva afirma que ela se encontra no texto em seu sentido mais amplo, referindo-se aos direitos políticos e também implicando no reconhecimento da integração das pessoas na sociedade estatal, com estreita conexão, ainda mais, com o conceito de dignidade humana e com os objetivos da educação como base e meta essencial do regime democrático.

Ademais disso, e agora esclarecendo o sentido do conceito de "dignidade humana", refere-se ele estar essa expressão colocada como significante de um valor supremo, que atrai todos os direitos fundamentais do homem. Com efeito, há que se ter presente, em ambos os casos, a idéia de que tanto a cidadania como a dignidade da pessoa humana ascendem à qualificação de preceitos fundamentais da ordem jurídica brasileira, na qual hão de repercutir como fatores condicionantes de sua interpretação e aplicação, em caráter permanente . Nessa perspectiva, como corretamente lecionam os Profs. Luiz Alberto Davi Araújo e Vidal Serrano Nunes Jr.: "Os princípios, portanto, determinam a regra que deverá ser aplicada pelo intérprete, demonstrando um caminho a seguir. Podemos falar na existência de uma hierarquia interna dentro das normas constitucionais, ficando os princípios em um plano superior, exatamente pelo caráter de regra estrutural que apresentam".

É que, como afirmado pela douta Profa. Carmem Lúcia Antunes Rocha, os princípios tem mesmo uma dimensão axiológica e refletem uma doutrina, um posicionamento político, orientando, assim, a evolução da ordem jurídica em sua dinâmica.

Tendo em conta esses fatores, realmente, a ordem jurídica contempla principalmente as disposições do art. 5º, da Constituição Federal, que prevê e asseguram os direitos fundamentais da pessoa humana, as quais, como resulta claro, são dotadas de aplicação imediata, a fim de que os garantam efetivamente, quer quanto a violações, quer quanto a ameaça, tal como previsto em seu inciso XXXV. Os direitos fundamentais, dessa maneira, compreendidos como "situações jurídicas definidas no direito positivo em prol da dignidade, igualdade e liberdade da pessoa humana" são regulados por normas constitucionais de eficácia plena, sem dúvida, sejam os individuais, sejam os coletivos, incorporados que estão, definitivamente ao direito positivo.

Em quaisquer relações, de conseguinte, hão de ser observados, mesmo que se esteja no campo daquelas de caráter privado. Nessa área, aliás, crescem as repercussões dos chamados direitos da personalidade, que se materializam como uma transposição dos direitos fundamentais nas relações privadas, cuja importância pode ser medida por sua constitucionalização, como é possível entrever no inciso X, da Constituição Federal de 1988. No âmbito do próprio direito civil, portanto, a proteção à pessoa vem se firmando como uma necessidade premente, chamando a atenção para isso, por exemplo, o Prof. Francisco Amaral, para quem o civilista hoje tem de apagar da memória o modelo do intelectual em defesa da burguesia ou de uma classe, mas apegar-se a uma forma de atuação crítica, voltada à defesa da pessoa e de seus direitos inalienáveis. Enfim, trata-se de dar ao Direito tratos antropocêntricos, distinguindo-se no campo do Direito Privado já o fenômeno da "repersonalização", como refere Erouths Cortiano Júnior , estabelecendo-se também nessa área a idéia de que o Direito "não está apenas centrado funcionalmente em torno do conceito de pessoa, mas também seu sentido e sua finalidade são a proteção da pessoa", no dizer de Aguirre Y Aldaz, conforme citação do ilustre autor paranaense. Tratando da mesma matéria, aliás, o Prof. Gustavo Tepedino oportunamente anota: "Com efeito, a escolha da dignidade da pessoa humana como fundamento da República, associado ao objetivo fundamental de erradicação da pobreza e da marginalização, e de redução das desigualdades sociais, juntamente com a previsão do par. 2º do art. 5º, no sentido da não exclusão de quaisquer direitos e garantias, mesmo que não expressos, desde que decorrentes dos princípios adotados pelo texto maior, configuram uma verdadeira cláusula geral de tutela e promoção da pessoa humana, tomada por valor máximo pelo ordenamento".

Dessa maneira, como esclarece Celina Bodin de Moraes, a ordem jurídica opera no sentido da proteção integral da pessoa humana, independentemente da antiquada dicotomização direito público e direito privado, firmando a matriz normativa da promoção da dignidade humana, que passa a operar como limite além do qual resta apenas a "ilicitude".

Na esteira do exposto, com certeza é que se deve realizar uma interpretação do texto constitucional no concernente à comunicação social, ou seja, o conteúdo dos arts. 220 e 221. Estes, de fato, se estabelecem a liberdade de expressão, criação, pensamento e informação, não admitem a indenidade quanto a controles, na medida em que submetem seu exercício a limites impostos pela própria Carta Constitucional. Anunciados estão, aliás, os lindes entre os quais os exercícios dessas liberdades devem se suster, como afinal se verifica do disposto no art. 221, IV, ou seja, o respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família. Essa opinião, a propósito, é manifestada também pelo sempre inolvidável Prof. José Carlos Barbosa Moreira, para quem, realmente, o art. 220, da Constituição Federal, depois de estabelecer que a manifestação é livre e que não há censura, estabeleceu também que há necessidade de meios legais para a proteção à pessoa, à família e os defendam dos programas que contrariem as normas regulamentares.

A propósito, também é importante colacionar a relevantíssima opinião do não menos expressivo Prof. Rodolfo de Camargo Mancuso, para quem há efetivamente um direito coletivo à uma programação de qualidade, que se encontra intrinsecamente ligada, aliás, ao respeito aos valores mencionados éticos e morais referidos pelo constituinte, entendendo ele, inclusive, que a regra traçada pelo art. 221, da C.F. é de eficácia plena, sem que se cogite de dificuldades quanto à interpretação do que sejam em substância os valores aludidos porque "seria preocupante a situação de um povo ou uma nação que não o soubesse". Nessa medida ele enfatiza em suas considerações que o próprio texto constitucional, no que diz respeito ao art. 225, estabelece um direito ao meio-ambiente sadio e equilibrado, e também o direito à qualidade de vida, a qual, segundo entende, abarca sem dúvida o "direito a um entretenimento saudável, propiciado por uma boa programação televisiva. Não é à toa, pois não, que o art. 221, I da C.F. impõe que a programação das emissoras deverá dar primazia a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas. Daí porque conclui o prestigiado autor, que: "Esse mínimo ético e esse padrão básico de qualidade não configuram mera recomendação do constituinte, se não que a todo cidadão brasileiro fica assegurado o interesse difuso, ou, se quiser, o direito subjetivo público ou ainda a liberdade pública de usufruir de uma programação televisiva nos moldes do que se contém nos dispositivos constitucionais antes citados".

Aliás, voltando ao Prof. José Carlos Barbosa Moreira , ele lembra que não há liberdade absoluta, esclarece que "o ordenamento jurídico constitui, tem que constituir sempre, a expressão de um compromisso entre solicitações divergentes de proteção a valores suscetíveis de contrapor-se uns aos outros". Na esteira desse ponto de partida ele não somente reafirma a existência de um direito coletivo à programação de qualidade, como ainda anota que o órgão judicial tem, sim, até a possibilidade de proibir a exibição de programas afrontosos aos termos do art. 221, da Constituição Federal, uma vez bem interpretado o art. 11, da Lei da Ação Civil Pública, salientando, ademais disso, que nem mesmo o fenômeno da bipolaridade, vale dizer, o confronto com o virtual interesse coletivo daqueles que cultivam a "grossura, o voyeurismo" pode constituir obstáculo à tutela jurisdicional, porquanto o dispositivo constitucional sob exame justifica, por sua importância e preponderância, o sacrifício de qualquer outro interesse contraposto àquele por ele fixado.

Os doutrinadores mencionados têm, sim, razão, na medida em que hoje já se cogita dos chamados direitos fundamentais de quarta geração, retratados pelo Prof. Paulo Bonavides aqueles relativos à democracia, ao pluralismo e à participação, que compreendem um direito à informação correta e a uma vivência indene à contaminação da mídia manipuladora, enfim, um direito à qualidade de vida em toda sua extensão, da qual não se exclui, de fato, o direito a um entretenimento saudável na programação da mídia eletrônica.

DOS PEDIDOS

Ante o exposto, requer-se à Vossa Excelência que emane uma ordem a fim de que se retire o programa do apresentador ..... do ar.

Requer ainda a citação das rés a fim de, querendo, apresentar defesa no prazo legal.

Protesta provar o alegado por meio de todos os tipos de prova em direito admitidas.

Dá-se à causa o valor de R$ .....

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Constitucional
Impetração de habeas data
Ação popular para declaração de nulidade de lei municipal que cedeu imóvel doado à entidade educa
Ação Civil pública impetrada para a obstrução de construção de shopping center e manutenção de pa
Mandado de Segurança contra ato de diretor do Detran que suspendeu direito de dirigir
Pedido de reintegração ao cargo público em face de exoneração de professor sem a observância dos
Mandado de segurança em face de ato de diretor que vedou a matrícula de aluno em universidade
Requerimento de nulidade do ato administrativo que exonerou servidor público
Agravo regimental contra despacho que indeferiu a ação rescisória
Mandado de segurança em face de paralisação de serviços de empresa
Contra-razões de recurso especial, alegando-se a ausência de violação à lei federal
Apelação em face de sentença que indeferiu o pedido de indenização decorrente de identificação da
Mandado de segurança impetrado por membro de diretor acadêmico, em face de repreensão de diretor