Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Alegações finais de negativa de autoria de roubo tentado

Petição - Penal - Alegações finais de negativa de autoria de roubo tentado


 Total de: 15.244 modelos.

 

ALEGAÇÕES FINAIS - ROUBO TENTADO - NEGATIVA DE AUTORIA - INEXISTÊNCIA DE RESPONSABILIDADE PENAL OBJETIVA

EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA JUÍZA DE DIREITO DA _____ VARA CRIMINAL DA COMARCA DE ___________ (___).

processo-crime n.º _____________________

alegações finais

(*) réu preso

___________________________, brasileiro, solteiro, pintor, residente e domiciliado nesta cidade, atualmente constrito junto ao Presídio ________________________, pelo Defensor Público subfirmado, vem, respeitosamente, a presença de Vossa Excelência, no prazo legal, articular, as presentes alegações finais, aduzindo, o quanto segue:

Segundo se afere pelo termo de interrogatório de folha _______, o réu negou de forma concludente e peremptória as imputações que lhe são infligidas pela peça portal coativa.

A instrução probatória, com algumas nuanças, não infirma a versão esposada pelo réu (negativa da autoria), proclamada pelo mesmo desde a primeira hora.

Registre-se, que tanto as vítimas, quanto as testemunhas inquiridas, no deambular da instrução, são dúbias e imprecisas em sua declarações, o que redunda, na imprestabilidade de tais informes para servirem de âncora a um juízo de valor adverso.

Outrossim, consoante os dizeres da vítima, ______________, à folha ____, temos que o réu não participou da intentona levada a termo única e exclusivamente pelo co-réu __________.

Nas palavra literais da vítima:

"... Reconhece os réus presente envolvidos nos fatos e indica o réu _______ como aquele que puxou a arma e sendo ele quem deu a voz de assalto. O co-réu ___________ é aquele que o depoente descreve como tendo ido se juntar a ______ depois que um terceiro elemento teria passado por onde estavam o depoente e seu colega. Na abordagem não encontraram arma com _________..."

De seu turno a testemunha ocular dos fatos ___________________, à folha _____, também exime o réu da participação no tipo penal, ponderando, que a iniciativa do suposto assalto coube unicamente ao co-réu ________, o qual sacou da arma e investiu contra as vítimas.

Nas palavras textuais da testemunha, ______:

"... O que sacou a arma é um elemento de cabelo loiro. O outro réu, este de cor negra, se aproximou do alemão e pediu que guardasse a arma.."

Ora, diante das declarações da vítima e da testemunha ocular dos fatos, tem-se por imperativo, que o denunciado não participou e ou de qualquer forma cooperou no roubo patrocinado pelo co-réu ________, visto que permaneceu ao largo dos acontecimentos, absorto e perplexo com a ação desfechada pelo co-réu.

Frente a tais dados, impossível é tributar-se ao recorrente, a prática do delito de roubo majorado tentado, bem como o crime satélite, seja na qualidade de autor e ou co-autor, visto que para aos mesmos não concorreu, não podendo, ser penalizado, pela simples e comezinha circunstância, de se encontrar-se no "palco dos acontecimentos", porquanto, inexiste, no ordenamento jurídico pátrio, a denominada responsabilidade penal objetiva.

Temos, pois, como dado incontroverso que a prova judicializada, é completamente estéril e infecunda, no sentido de roborar a denúncia, haja vista, que o Titular da Ação Penal, não conseguiu arregimentar um única voz, isenta e confiável, que depusesse contra o réu, no intuito de incriminá-lo, do delito que lhe é graciosamente arrostado.

Assim, ante a manifesta anemia probatória hospedada pela demanda, impossível é sazonar-se reprimenda penal contra o réu, embora a mesma seja perseguida, de forma equivocada, pelo denodado integrante do parquet.

Sinale-se, ademais, que para referendar-se uma condenação no orbe penal, mister que a autoria e a culpabilidade resultem incontroversas. Contrário senso, a absolvição se impõe por critério de justiça, visto que, o ônus da acusação recai sobre o artífice da peça portal. Não se desincumbindo, a contento, de tal tarefa, marcha, de forma inexorável, a peça parida pelo dono da lide à morte.

Neste norte, veicula-se imperiosa a compilação de jurisprudência autorizada:

"Insuficiente para embasar decreto condenatório simples probabilidade de autoria de delito, eis que se trata de mera etapa da verdade, não constitutiva, por si só, de certeza" (Ap. 42.309, TACrimSP, Rel. GOULART SOBRINHO)

"Sem que exista no processo um prova esclarecedora da responsabilidade do réu, sua absolvição se impõe, eis que a dúvida autoriza a declaração do non liquet, nos termos do artigo 386, VI, do Código de Processo Penal" (TACrimSP, ap. 160.097, Rel. GONÇALVES SOBRINHO).

"O Direito Penal não opera com conjecturas ou probabilidades. Sem certeza total e plena da autoria e da culpabilidade, não pode o Juiz criminal proferir condenação" (Ap. 162.055. TACrimSP, Rel. GOULART SOBRINHO)

"Sentença absolutória. Para a condenação do réu a prova há de ser plena e convincente, ao passo que para a absolvição basta a dúvida, consagrando-se o princípio do ‘in dubio pro reo’, contido no artigo 386, VI, do C.P.P". (JUTACRIM, 72:26, Rel. ÁLVARO CURY)

Destarte, todos os caminhos conduzem, a absolvição do réu, frente ao conjunto probatório domiciliado à demanda, em si sofrível e altamente defectível, para operar e autorizar um juízo de censura contra o denunciado.

ANTE AO EXPOSTO, REQUER:

I.- Seja decretada a absolvição do réu, dos delitos a que indevidamente manietado, forte no artigo 386, inciso IV, do Código de Processo Penal, sopesadas as considerações dedilhadas linhas volvidas.

II.- Na remota hipótese de soçobrar a tese mor (negativa da autoria), seja, de igual sorte absolvido, diante da dantesca orfandade probatória que preside à demanda, tendo por esteio o artigo 386, inciso VI, do Código de Processo Penal.

Nesses Termos

Pede Deferimento.

_______________, ____ de __________ de 2.00__.

_____________________________
DEFENSOR PÚBLICO TITULAR

OAB/UF ________________


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Pedido de habeas corpus para trancamento de ação penal
O Ministério Público pleiteia o óbice de saídas do réu de estabelecimento prisional ou sua transf
Pedido de revogação de prisão preventiva, por se tratar de réu sem antecedentes criminais
Requer a reforma da decisão (01)
Interposição de alegações finais em crime de furto
Prescrição antes do recebimento da denúncia
Denúncia por crime de atentado violento ao pudor
Defesa prévia de revogação da prisão preventiva de réu não primário
Contra-razões de recurso em sentido estrito de suspensão condicional do processo
Pedido de revogação de prisão temporária, ante a inconstitucionalidade da lei em que a decisão se
Pedido de abertura de inquérito policial, ante ao crime de estelionato
Memorial com apresentação de pedido de progressão de regimes, para réu preso