Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Agravo na execução criminal de trabalho externo

Petição - Penal - Agravo na execução criminal de trabalho externo


 Total de: 15.244 modelos.

 

AGRAVO NA EXECUÇÃO CRIMINAL - CONTRA-RAZÕES - TRABALHO EXTERNO - REMIÇÃO

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO _________

COLENDA CÂMARA JULGADORA.

ÍNCLITO RELATOR

"O rigor punitivo não pode sobrepor-se a missão social da pena" * Damásio E. de Jesus.

CONTRA-RAZÕES AO RECURSO DE AGRAVO FORMULADAS EM FAVOR DO APENADO: _________

Em que pese a nitescência das razões esposadas pelo denodado Doutor Promotor de Justiça da ____ª Vara, o qual insurgindo-se contra decisão emanada do notável e douto Julgador singelo, DOUTOR ______, esgrima sobre a impossibilidade jurídica de remir-se os dias laborados pelo recorrido, decorrentes do trabalho externo, pelo mesmo prestado e executado, junto a Prefeitura Municipal de _______ no período de _____ a _____ e junto a Oficina _________ no período de ______ a ______, tem-se, que tal postulação não merecerá prosperar.

Segundo leciona o festejado e respeitado doutrinador pátrio, JULIO FABBRINI MIRABETE, in, EXECUÇÃO PENAL, São Paulo, 1.997, Atlas, 7ª edição, página 292, citado pelo altivo sentenciante no despacho de folha ___, a Lei da Execuções Penais, em seu artigo 126, não faz acepção e ou impõe restrição quanto ao trabalho a ser objeto de remição, facultando, por decorrência que o mesmo seja prestado pelo reeducando no interior da casa de detenção e ou externamente, desde que autorizado pela juízo da execuções, hipótese ocorrente no caso submetido a desate. Nas palavra literais, do abalizado penalista:

"Não distingue a lei quanto à natureza do trabalho desenvolvido pelo condenado. Assim, a remição é obtida pelo trabalho interno e ou externo, manual ou intelectual, agrícola ou industrial, não se excluindo o artesanal, desde que autorizado pela administração do estabelecimento penal".

O mesmo entendimento é professado Eminente Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, DOUTOR JOSÉ ANTONIO PAGANELLA BOSCHI, em obra escrita em parceria com o Professor Odir Odilon Pinto da Silva, intitulada "COMENTÁRIOS À LEI DE EXECUÇÕES PENAIS", Rio de Janeiro, 1.986, Aide, 1ª edição, onde à página 126, com acuidade e brilhantismo aborta a questão em discussão, obtemperando:

"Para fins de remição, não faz a lei de Execução Penal distinção alguma entre trabalho interno e externo, seja ele prestado por brasileiro ou por estrangeiro. Tanto um quanto o outro ensejam o abatimento da pena 'a razão de um dia de pena por três de trabalho' (artigo 126, § 1º). Vedada, assim, qualquer interpretação restritiva consoante princípio de hermenêutica consagrado (Benignius leges interpretante sut, quo voluntas aerum conservatur)"

Aliás, ao contrário do sustentado pelo aguerrido recorrente, o instituto da remição possui nítido escopo de beneficiar o apenado, na medida em que o mesmo revela-se dócil ao trabalho, proscrevendo a ociosidade que sabidamente é a mãe dos vícios, afora exorcizar-se a prostração infecunda, outra mazela, a ser banida da seja na, mediante o mourejo diário.

Consoante proclamado pelo apóstolo e doutor do gentios, São Paulo, "somente o trabalho humano dignifica a pessoa", considerada, esta, em sua tríplice dimensão de ente bio-psico-social.

A referendar o aqui expendido, imperioso assoma o decalque de acórdão, parido pelo Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, digno de compilação em sua ementa:

AGRAVO. EXECUÇÃO PENAL. REMIÇÃO.

A remição, como instituto que objetiva teleologicamente beneficiar o condenado, deve ser computada como tempo de pena privativa de liberdade cumprida, não devendo simplesmente ser abatido do total da sanção aplicada. Agravo ministerial conhecido e desprovido. Decisão mantida. (Agravo nº 297016610, 1ª Câmara Criminal do TARGS, Rel. Montaury dos Santos Martins. j. 13.08.97).

Frente as ponderações supra, pouco resta acrescentar, afora a circunstância de entender o recorrido ser de direito a remição dos dias mourejados durante o trabalho externo, haja vista, entender constituir-se em preceito de justiça dita subtração, porquanto, não pode amargar a perda dos dias laborados, uma vez que tal lhe é assegurado pela lei regente da matéria.

Efetivamente, constituir-se-ia, em gritante injustiça, verdadeiro desatino, desprezar-se os dias laborados, pelo recorrido, no trabalho externo, para efeito de remição, como preconizado, data máxima vênia, de forma equivocada e contraproducente, pelo nobre integrante do parquet.

Aliás, toma-se aqui a liberdade de transcrever-se, pequeno excerto da Bíblia Sagrada, em seu livro veterotestamentário que compõe o Pentateuco, denominado Deuteronômio, capítulo 24, versículos 14-15, o qual em abordando a questão do trabalho, exorta a que o trabalhador seja recompensado pelo desempenho de sua tarefa quotidiana, com o respectivo salário. Verbo ad verbum:

"Não oprimirás um assalariado pobre ou necessitado, quer seja um dos teus irmãos ou um estrangeiro que mora em tua terra, em tua cidade. Pagar-lhe-á o salário a cada dia, antes que o sol se ponha, porque ele é pobre e disso depende a sua vida. Deste modo, ele não clamará a Iahweh contra ti e em ti não haverá um pecado".

Mutatis mutandis, em aplicando-se, por analogia, a passagem bíblica supra referida, tem-se que o trabalho externo empreendido pelo recorrido réu, merece, indubitavelmente, sua recompensa, a qual consiste na remição dos dias laborados, como bem decidido pelo notável Magistrado a quo.

Em assim sendo, impassível de qualquer censura veicula-se a decisão injustamente hostilizada pelo honorável membro do Ministério Público, devendo, ser mantida e preservada, por seus próprios e judiciosos fundamentos.

Oportuno, relembrar-se, por derradeiro, consoante o magistério de GIORGIO DEL VECCHIO, "que a mais cruel injustiça, consiste precisamente naquela que é feita em nome da lei".

ISTO POSTO, REQUER:

I.- Pugna e vindica a defesa do recorrido seja mantida incólume a decisão objeto de revista, repelindo-se, destarte o recurso interposto pelo representante do Ministério Público, não tanto pelas razões aqui esposadas, mas mais e muito mais pelas que hão Vossas Excelências, de aduzirem com a peculiar cultura e proficiência, no intuito de salvaguardar-se o despacho alvo de irrefletida impugnação.

Certos estejam Vossas Excelências, mormente o Preclaro Desembargador Relator do feito, que em assim decidindo, estarão julgando de acordo com o direito e sobretudo, realizando, assegurando e perfazendo, na gênese do verbo, a mais lídima e genuína JUSTIÇA!

_________, ____ de _________ de _____.

DEFENSOR

OAB/

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIRETO DA ___ª VARA DA COMARCA DE _________

Processo nº _________

Objeto: oferecimento de contra-razões

_________, devidamente qualificado, pelo Defensor subfirmado, vem, respeitosamente, a presença de Vossa Excelência, no prazo legal, por força do artigo 588 do Código de Processo Penal, articular, as presentes contra-razões ao recurso de agravo, interposto pelo MINISTÉRIO PÚBLICO, as quais propugnam pela manutenção integral da decisão injustamente hostilizada pelo ilustre membro do parquet.

ANTE AO EXPOSTO, REQUER:

I.- Recebimento das inclusas contra-razões, as quais embora dirigidas ao Tribunal ad quem, são num primeiro momento, endereçadas ao distinto Julgador monocrático, para oferecer subsídios a manutenção da decisão atacada, a qual deverá, salvo melhor juízo, ser sustentada, ratificada e consolidada pelo Insigne Julgador Singular, a teor do disposto no artigo 589 Código de Processo Penal, remetendo-se, após, os autos do recurso, à superior instância, para reapreciação da temática alvo de férreo litígio.

Nesses Termos

Pede Deferimento

_________, ____ de _________ de _____.

DEFENSOR

OAB/


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
Alegações finais em ação referente à falsificação de guia de recolhimento da previdência social
Instauração de incidente de responsabilidade penal
Contra-razões de queixa-crime
Alegações finais de memoriais apresentados pelo Ministério Público, nos quais pugna-se pela pronú
Ação cautelar de sustação de protesto
Contra-razões de apelação de continuidade delitiva de roubo biqualificado
Prisão preventiva para audiência de interrogatório
Pedido de liberdade provisória por parte de réu primário, preso em flagrante pelo crime de furto
Recurso e razões de ausência de dolo por porte de arma
Contra-razões de agravo em execução de fuga
Recurso e razões de confissão de tóxicos
Recurso em sentido estrito, em decorrência de condenação pelo uso de documento falso