Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Interposição de embargos de terceiro por parte de sócio-gerente

Petição - Civil e processo civil - Interposição de embargos de terceiro por parte de sócio-gerente


 Total de: 15.244 modelos.

 
Interposição de embargos de terceiro por parte de sócio-gerente, o qual teve seus bens arrestados em face de dívidas da empresa.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA .... VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE .... - ESTADO DO ....

DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA
EM APENSO AOS AUTOS Nº .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

EMBARGOS DE TERCEIRO COM PEDIDO DE LIMINAR

em face de

....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

Encontram-se os autos em fase de liquidação de sentença, sendo que, em petição constante às fls. ..../.... (doc. nº ....), foi apresentada, por parte da Embargada, a memória discriminada dos cálculos, na forma prevista no artigo 604 do Código de Processo Civil, totalizando o débito, em ..../..../...., o montante de R$ .... (....).

Deferida a citação da .... para o pagamento do débito, e não podendo ser localizado o representante legal da mesma, a ora Embargada peticionou, em ..../..../.... (fls. ..../.... - doc. nº ....), requerendo o arresto de bens do sócio-gerente da empresa, Sr. ...., mais especificamente, .... terminais telefônicos e .... veículos. Ainda, anexou à referida petição, às fls. ..../...., .... solicitações feitas perante o DETRAN, que comprovavam a titularidade dos veículos, em nome do sócio-gerente.

Tal pedido, o de arresto dos bens, foi deferido, sendo que, conforme consta às fls. ..../.... dos autos, (doc. nº ....), em ..../..../...., foi efetivado o arresto de .... veículos e .... terminais telefônicos.

Primeiramente, é oportuno ressaltar que o veículo marca ...., tipo ...., ano de fabricação ...., modelo ...., cor ...., c. aberta, placa ...., chassis nº ...., arrestado em ..../..../...., não era e não é mais de propriedade do Embargante, desde ..../..../...., tendo o Sr. .... efetuado a venda do mesmo apenas .... dias após o arresto, sendo que, nesta data, o Embargante ainda não havia tomado conhecimento do referido arresto, tudo conforme comprova documento anexo de venda do respectivo veículo (doc. nº ....).

Finalmente, em edital de citação e intimação publicado em jornal local, em ..../..../.... (doc. nº ....), com prazo de .... dias, foi determinada a citação do Embargante para pagar em .... horas o valor de R$ .... (....), sob pena de penhora dos bens então arrestados.

Ocorre que, conforme se passará a expor, não poderiam ter sido arrestados os bens do Embargante, por diversos motivos, senão vejamos.

DO DIREITO

1. DA LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ POR PARTE DA EMBARGADA

Quando do pedido de arresto formulado pela Embargada, assim ficou consignado, às fls. .... dos autos:

"3 - Desta forma, sendo desconhecidos ou até mesmo insuficientes os bens da pessoa jurídica, a credora indica para arresto os bens de propriedade do sócio-diretor da requerida."

Esse é um dos pontos cruciais da presente controvérsia, que ensejou a oposição dos presentes Embargos, e que certamente, serão ao final julgados procedentes: Alegou a Embargada, para justificar o seu pleito, que os bens da empresa .... eram desconhecidos e até mesmo insuficientes.

Ora, conforme se depreende dos documentos e da planilha anexos (docs. nºs .... à ....), a empresa ...., em .... de ...., possuía (e em grande parte ainda possui), dentre vários outros, os seguintes bens, de fácil localização:

a) .... caminhão ...., ano de fabricação ...., modelo .... - ano ...., cor ...., placa ...., chassis ...., que se encontrava livre e desembaraçado de qualquer ônus, inclusive tendo sido referido bem nomeado à penhora, em sede de Embargos à Execução, através de petição protocolada em ..../..../.... (doc. nº ....);
b) .... imóvel, onde se situa a sede da empresa, na Rua .... nº ...., na Comarca de .... - ...., registrado no ....º Ofício de Registro de Imóveis, com as características descritas nas escrituras anexas, e estando, à época, como ainda está, livre e desembaraçado de qualquer ônus;
c) .... linhas de terminais telefônicos com os seguintes prefixos: ...., .... e ....;
d) grande quantidade de madeira de pinho serrado (araucária), em bruto e aparelhadas, sendo que parte dela foi nomeada à penhora nos referidos Embargos à Execução, protocolados em ..../..../....;
e) uma infinidade de móveis, dentre eles, maquinários, que se encontravam à época e ainda se encontram, na sede da empresa ....

Curioso. Não obstante o vasto e diversificado número de bens, a empresa ora Embargada alegou serem "desconhecidos e até mesmo insuficientes" os bens da devedora ....

Tal argumento é de extrema fragilidade quando se percebe que, se a Embargada, conforme devidamente comprovado nos autos, teve a iniciativa de apurar perante a TELEPAR e o DETRAN, veículos e linhas telefônicas de propriedade do sócio-gerente, por que então não apurou, primeiramente, veículos e terminais telefônicos de propriedade da empresa ....?

Por que não providenciou, perante o Cartório de Registro de Imóveis competente, a verificação da titularidade do imóvel da sede da empresa? Ora, o valor de tal imóvel, somente este imóvel, sem contar os bens que lá se encontram, supera, aproximadamente, em .... vezes o valor da execução.

Optou a Embargada, mesmo tendo comparecido ao DETRAN e à TELEPAR, e ciente do seu dever de diligenciar no sentido de buscar primeiramente os bens da real devedora, qual seja, a empresa ...., e não de sócio-gerente, em alegar em juízo que os bens da empresa devedora eram "desconhecidos e até mesmo insuficientes".

Ora, indubitável a má-fé da Embargada. A uma, por não ter diligenciado, (repita-se: apesar de ter instigado o DETRAN e a TELEPAR a respeito de bens do ora Embargante) a existência de .... veículo e .... linhas telefônicas em nome da real devedora. A duas, por não ter diligenciado (sabe-se lá o porquê ...), perante o Cartório de Registro de Imóveis competente, ao menos a quem pertencia o imóvel onde situa-se a sede a empresa ....

E, por fim, por ter declarado em Juízo, o que certamente induziu Vossa Excelência em equívoco, que a ".... não possui bens conhecidos e até mesmo suficientes", o que culminou no injusto e ilegal deferimento do arresto dos bens do sócio-gerente, quando na verdade havia e há bens da real devedora conhecidos, de localização elementar, e suficientes para garantir o pagamento do débito.

Sobre a repudiável litigância de má-fé, dispõem os artigos 14, incisos I e II, 16, 17, inciso II e 18, § 2º do Código de Processo Civil, in verbis:

"Art. 14. Compete às partes e aos seus procuradores:
I - expor os fatos em juízo conforme a verdade;
II - proceder com lealdade e boa-fé;"

"Art. 16. Responde por perdas e danos aquele que pleitear de má-fé, como autor, réu ou interveniente."

"Art. 17. Reputa-se litigante de má-fé aquele que:
(...)
II - alterar a verdade dos fatos;"

(e, conforme comentários tecidos a este artigo pelo ilustre jurista Theotônio Negrão, em sua obra entitulada Código de Processo Civil e legislação processual em vigor - Ed. Saraiva - 28ª Edição: ou deliberadamente omitir fato relevante (RTJE 129/164).
"Art. 18. O juiz, de ofício ou a requerimento, condenará o litigante de má-fé a indenizar à parte contrária os prejuízos que esta sofreu, mais os honorários advocatícios e as despesas que efetuou.
§ 1º ...
§ 2º. O valor da indenização será desde logo fixado pelo juiz, em quantia não superior a vinte por cento sobre o valor da causa, ou liquidado por arbitramento."

Assim, devidamente comprovado a existência da má-fé quando da indicação de seus bens para arresto, sob o argumento de serem desconhecidos e até mesmo insuficientes os bens da real devedora ...., quando na verdade, no mesmo local onde diligenciou e verificou a existência dos bens arrestados, existiam bens em nome da real devedora, sendo-os portanto de rudimentar localização e suficientes ao pagamento do débito, requer seja a Embargada condenada a indenizá-lo dos prejuízos sofridos, na proporção máxima prevista em lei, acrescidos dos honorários advocatícios e despesas.

2. DOS DANOS MORAIS

Prevê o artigo 186 do Código Civil:

"Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar danos a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito".

Conforme exaustivamente exposto, a Embargada requereu indevidamente e ilegalmente o arresto dos bens do ora Embargante, sob o argumento de que os bens da real devedora eram desconhecidos e até mesmo insuficientes.

E referido arresto causou ao Embargante danos morais irreparáveis à sua imagem, por diversas razões, a saber: durante o período aproximado de .... de .... de .... à .... de .... de ...., os terminais telefônicos arrestados, pertencentes ao Sr. ...., e únicos de sua residência, permaneceram continuamente desligados, causando transtornos de toda ordem.

Ficaram, o Embargantes e seus familiares incomunicáveis, sendo que, à época, a sogra Sra. ...., encontrava-se na Cidade de ...., em período pós-operatório referente à extração de parte de um dos pulmões.

Por ter permanecido todo o sistema de segurança de sua residência situada na Rua .... totalmente desligado neste período, por depender do funcionamento dos terminais telefônicos, então desligados.

Ainda, o Embargante não conseguia se comunicar com seus empregados no Estado do .... e do Estado do ...., bem como Norte do Estado do ...., onde o mesmo possui fazendas, causando, apenas pelas situações acima expostas, inexoravelmente, transtornos de toda ordem.

O que se atingiu, verdadeiramente, foi a honra, a imagem do Embargante. E, sobre a matéria, é oportuna a transcrição de comentários tecidos pelo ilustre Magistrado Clayton Reis, em sua obra intitulada "Dano Moral" - Ed. Forense - 4ª Edição, que às fls. 4/5, assim preleciona:

"Todavia, há circunstâncias em que o ato lesivo afeta a personalidade do indivíduo, sua honra, sua integridade psíquica, seu bem-estar íntimo, suas virtudes, enfim, causando-lhe mal-estar ou uma indisposição de natureza espiritual - 'pateme d'animo' -, na expressão dos tradistas italianos.

A diferença dessas lesões (material e moral) reside, substancialmente, na forma de reparação.

Enquanto no caso dos danos materiais a reparação tem como finalidade repor as coisas lesionadas ao seu 'status quo ante' ou possibilitar a vítima a aquisição de outro bem semelhante ao destruído, o mesmo não ocorre, no entanto, com relação ao dano eminentemente moral. Neste é impossível repor as coisas ao seu estado anterior. A reparação, em tais casos, reside no pagamento de uma soma pecuniária, arbitrada pelo consenso do juiz, que possibilite ao lesado uma satisfação compensatória da sua dor íntima.

Dessa forma, enquanto uma repõe o patrimônio lesado, a outra compensa os dissabores sofridos pela vítima, em virtude da ação ilícita do lesionador."

Assim, sem qualquer dúvida, há ainda que ser condenada a Embargada, por ato ilícito cometido, pelos danos causados à imagem do Embargante, levando-se ainda em consideração o fato do Sr. .... ser chefe de família, de profissão respeitada (industrial e atualmente agropecuarista), o que lhe permitiu a edificação de considerável patrimônio (doc. nº ....), bem como por ser portador de diploma de Bacharel em Direito.

3. DA LIMINAR

Quando da oposição dos Embargos à Execução, por parte da real devedora ...., em ..../..../...., foram nomeados, com fulcro no artigo 737, inciso I do Código de Processo Civil, os seguintes bens à penhora:

a) .... caminhão marca ...., ano de fabricação ...., modelo .... - ano ...., cor ...., placa ...., chassis ...., livre e desembaraçado de qualquer ônus, o valor de R$ .... (....), encontrando-se referido bem na sede da empresa, e estando em perfeito estado de conservação e,
b) quantidade, qualidade e demais especificações de madeiras especificadas em planilha própria, no valor de R$ .... (....), conforme avaliações idôneas, encontrando-se referidos bens na sede da empresa, estando em estado de conservação compatível com a classificação dada à espécie do bem.

Ainda, é oportuno frisar que a avaliação dos bens então nomeados pela empresa ...., nos Embargos à Execução, totalizou R$ .... (....), quantia superior ao débito objeto da lide, que é de R$ .... (....), tendo ainda sido requerido, na oportunidade, que fosse nomeado o Sr. ...., depositário fiel dos bens acima descritos.

Dispõe o artigo 596, § 1º do CPC:

"Art. 596. Os bens particulares dos sócios não respondem pelas dívidas da sociedade senão nos casos previstos em lei; o sócio, demandado pelo pagamento da dívida, tem direito a exigir que sejam primeiro executidos os bens da sociedade.

§ 1º. Cumpre ao sócio, que alegar o benefício deste artigo, nomear bens da sociedade, sitos na mesma Comarca, livres e desembargados, quantos bastem para pagar o débito."

Ainda, com o intuito de comprovar a propriedade dos bens arrestos, anexa o Embargante os comprovantes de titularidade dos bens indevidamente arrestados (docs. nºs .... à ....).

Ou seja, ressalte-se, tendo sido indevidamente arrestados os bens do ora Embargante, conforme já exposto, por ter à época do arresto a real devedora do valor ora executado bens suficientes e conhecidos, bem como, face à oposição de Embargos à Execução pela empresa ...., com a respectiva nomeação de bens à penhora, e a farta comprovação de propriedade dos bens pelo ora Embargante, requer-se a concessão de medida liminar, inaudita altera pars, no sentido de que sejam restituídos ao Sr. .... os seguintes bens, devendo ser oficiados o DETRAN e a TELEPAR, independentemente de caução:

a) os terminais telefônicos de prefixos nºs ...., .... e ...., atualmente prefixos de nºs ...., .... e ....;
b) .... veículo marca ...., tipo ...., ano de fabricação ...., modelo ...., cor ...., placa ...., chassis nº ....;
c) .... caminhão marca ...., ano de fabricação ..., modelo ...., c. aberta, cor ...., placa ...., chassis nº ....;
d) .... veículo importado, marca ...., tipo ...., ano de fabricação ...., modelo ...., cor ...., placa ...., chassis nº ....;
e) .... veículo marca ...., tipo ...., ano de fabricação ...., modelo ...., c. aberta, cor ...., placa ...., chassis nº ....; e,
f) .... veículo importado, marca ...., ano de fabricação ...., modelo ...., cor ...., placa ...., chassis nº ....

Note-se apenas que o veículo marca ...., tipo ...., ano de fabricação ...., modelo ...., cor ...., c. aberta, placa ...., chassis nº ...., também objeto do arresto efetuado em ..../..../...., foi alienado pelo Embargante, em ..../..../...., apenas .... dias após o arresto, portanto, sem que o Sr. .... tivesse tomado conhecimento do referido ato, conforme já exposto e devidamente comprovado.

Ao final, requer seja a presente ação julgada procedente, nos termos do presente pedido, confirmando-se a liminar pleiteada, e restituindo-se em definitivo ao Embargante os bens acima relacionados.

DOS PEDIDOS

Assim, pelo acima exposto, requer o Embargante o deferimento in limine e inaudita altera pars da restituição dos bens arrestados, bem como, ao final, sejam acolhidos integralmente os presentes Embargos, julgando-se procedente a ação, confirmando-se a liminar nos termos pleiteados, no sentido de restituir em definitivo a posse dos bens arrestados, bem como seja condenada a Embargada em litigância de má-fé, devendo arcar com a respectiva indenização no grau máximo, e indenização por danos morais causados ao Embargante, em valor a ser arbitrado por Vossa Excelência, tudo acrescido de honorários advocatícios e custas processuais.

Requer ainda a citação da ré, ...., para, querendo, vir contestar a presente ação, no prazo legal.

Por fim, protesta pela produção de todos os meios de prova em direito admitidos.

Dá-se à causa o valor de R$ .....

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Ação de reintegração de posse, em face de inadimplência de arrendatário em contrato de leasing (0
Ação de indenização por benfeitorias úteis
Ação de arbitramento de honorários advocatícios não previstos em contrato
Pedido de anulação de compromisso de compra e venda, tendo em vista vício de consentimento
Ação de anulação e substituição de títulos ao portador (02)
Ação de cobrança de saldo devedor, em face de utilização excessiva de limite concedido em cartão
Trata-se de ação proposta perante o Juizado Especial Cível para cobrança de serviços médicos
Contra-razões de apelação do INSS
Embargos monitórios, sob alegação de ilegitimidade passiva e, no mérito, litigância de má-fé, pos
Devolução do direito de opção pela inércia do devedor
Ação declaratória de reconvenção
Pedido de anulação de contrato de compra e venda de produtos agrícolas