Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Embargos à execução de veículo usado de consumidor

Petição - Civil e processo civil - Embargos à execução de veículo usado de consumidor


 Total de: 15.244 modelos.

 

EMBARGOS À EXECUÇÃO - VEÍCULO USADO - CONSUMIDOR - PRINCÍPIO DA BOA-FÉ

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ____ª VARA CÍVEL

COMARCA DE ____________ - UF

____________, brasileiro, solteiro, técnico em informática, residente e domiciliado na Rua ____________, nº ____, Bairro _________, ____________, UF, por seus procuradores signatários, vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, apresentar

EMBARGOS À EXECUÇÃO contra ____________ LTDA., pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua ______, nº _____, ____________, UF, pelos fatos e fundamentos que passa a expor:

I - DOS FATOS

1. Os títulos de crédito acostados à execução foram efetivamente entregues à embargada em pagamento pela diferença da aquisição de um automóvel Golf Gl, usado, de cor preta, ano 19XX, placas ____________

2. Em razão de desacordo comercial foi desautorizada a instituição de crédito de efetuar o pagamento dos referidos títulos, tudo isto devidamente informado à embargada que bem sabe os reais motivos do desacerto.

3. Em verdade, quando adquiriu o referido carro, pensava o embargante tratar-se de veículo em condições de rodar, devidamente revisado, e com equipamentos com média qualidade eis que reconhece tratar-se de carro usado e certamente não esperava um automóvel intocado.

4. No entanto, confiando no fato de tratar-se de um revenda autorizada, na ótima propaganda feita pelo vendedor do veículo e nas aparentes boas condições do mesmo, acabou por adquiri-lo, não sem antes consultar mecânicos de sua confiança, os quais atestaram as boas condições dos itens básicos, tais como ausência de barulho no motor, ausência de problemas de suspensão, e ainda um chapeador, que informou da inexistência de vestígios na lataria ou de tratar-se de carro acidentado.

5. A revisão da parte mecânica, como é praxe, deu-se sob pontos básicos, não se podendo desejar do embargante que exigisse a abertura do motor, das rodas, e de todos os demais equipamentos do carro a fim de averigüar possíveis problemas, até porque o custo poderia inviabilizar qualquer negócio, e ademais disso, confiou o embargante na palavra do vendedor da embargada, que garantiu as ótimas condições do automóvel.

6. Entretanto, poucos dias após a aquisição do veículo, passou o mesmo a apresentar problemas de todos os tipos, instabilidade mesmo sobre a pista asfáltica, barulhos nas rodas, ausência de resposta a comandos, como a ignição, por exemplo.

7. Por cerca de três a quatro vezes, ao sair de casa ou na rua, ao acionar a ignição, viu o veículo permanecer parado, mudo, silencioso, necessitando de familiares ou alguém que estivesse próximo para poder locomover-se, ou até desistir de utilizá-lo.

8. Então, no dia 30/07, dirigiu-se até revenda autorizada Volkswagem, onde foram constatados problemas em peças de troca usual do veículo, que o embargante sabe que um dia deveria trocar, e de outras, que era impossível ao embargante, ou a um mecânico que faz uma revisão geral descobrir.

9. O mesmo aconteceu em 12/08 quando novamente dirigiu-se à referida agência autorizada, para efetuar consertos que não conseguiu incluir na primeira vez que foi até a referida concessionária.

10. E por fim, na última vez, em 18/08, foi obrigado a efetuar a troca das últimas peças, com as quais poderia então sair de casa em total segurança, fato que não ocorria anteriormente.

11. Ressalte-se, por oportuno, que não dispunha o embargante do numerário necessário para efetuar os pagamentos dos consertos realizados, tendo que fazer uso de cartão de crédito que até o momento não conseguiu pagar e cuja conta está submetida aos altos juros que lhe são cobrados mensalmente.

12. Por diversas vezes o embargante procurou a embargada para resolver o impasse, propondo a quitação dos títulos pelo valor dos consertos já que se por um lado tratava-se de veículo usado, por outro as informações do vendedor davam conta de um veículo em perfeitas condições, com todos os itens revisados e em ótimo estado de conservação.

13. Com efeito, pelo que se vê dos fatos narrados, agiu com culpa a demandada, ou o seu preposto empolgou-se com a venda, comercializando um veículo sem as devidas condições, devendo responder, por ambos os motivos, pelos danos sofridos pelo embargante.

II - DO DIREITO

14. Reza o Código Civil que aquele que, por ação ou omissão, de forma negligente, imprudente ou imperita, violar direito ou causar prejuízo a outrem, ficará obrigado a reparar o dano, de modo que tendo a embargada comportado-se desta forma, deverá arcar com as conseqüências de seu ato.

15. Aliás, o próprio Código do Consumidor é taxativo ao determinar a responsabilização do comerciante por vício do produto, mesmo tratando-se de veículo usado, o que aliás torna ainda mais necessária a cautela daquele que coloca bens móveis a fim de que sejam comercializados.

16. Não se pretende nesta seara buscar indenização ou reparação dos danos, mas a desconstituição dos títulos executados, já que demonstrado à saciedade que os valores neles consignados são indevidos diante do não cumprimento por parte da embargada da sua parte no avençado, que era fornecer um veículo usado, e não um automóvel que como se viu apresentou uma série de defeitos absolutamente imperceptíveis ao comprador comum ou mesmo a um mecânico, numa revisão gratuita, muito diferente da embargada que possuía uma oficina autorizada inteira à sua disposição.

17. O art. 745 do Código de Processo Civil concede ao embargado a possibilidade de alegar em embargos toda e qualquer matéria que seria possível alegar no processo de conhecimento, assim fazendo o ora embargante que se vê injustiçado por ter que responder por títulos em valores iguais e/ou até inferiores aos prejuízos que teve para consertar e deixar o veículo em condições seguras de uso.

18. A jurisprudência já manifestou-se em casos análogos, tendo assim decidido:

"INDENIZAÇÃO. COMPRA E VENDA DE VEÍCULO USADO, COM DEFEITO MECÂNICO. RESPONSABILIDADE.

Dentro do princípio da boa-fé, pregada pelo Código de Defesa do Consumidor, o vendedor é responsável pelo vício do produto, podendo, o consumidor, exigir a substituição do produto, a restituição da quantia paga ou o abatimento do preço, nos termos do art. 18 do Código de Defesa do Consumidor. (...)

(Recurso nº 01196865654, 1ª Turma do JECC/RS, Bento Gonçalves, Rel. Dr. Claudir Fidélis Faccenda. j. 22.07.96, un.)."

"VEÍCULO USADO.

Indenização pleiteada decorrente de sucessivos negócios de compra e venda de veículos usados em que o autor, além de ter entregue seu carro como parte do negócio, efetuou pagamentos em dinheiro e assinou títulos de crédito pelo saldo devedor. Pedido de restituição dos valores entregues e desfazimento do último negócio porque o veículo, já devolvido, não funcionava. Sentença procedente. (...)

(Recurso nº 01597517125, 1ª Turma Recursal do JECC/RS, Porto Alegre, Rel. Dr. Guinther Spode. j. 11.06.97, un.)."

"INDENIZAÇÃO.

Compra e venda de veículo usado, com defeito mecânico.

RESPONSABILIDADE.

Dentro do princípio da boa-fé, pregada pelo Código de Defesa do Consumidor, o vendedor é responsável pelo vício do produto, podendo, o consumidor, exigir a substituição do produto, a restituição da quantia paga ou o abatimento do preço, nos termos do art. 18 do Código de Defesa do Consumidor. (...)

(Recurso nº 01196887135, 2ª Turma Recursal do JECC/RS, Porto Alegre, Rel. Dr. Claudir Fidélis Faccenda. j. 26.11.96, un.)."

"COMPRA E VENDA DE VEÍCULO USADO. GARANTIA.

Sendo defeito grave, e aparecendo poucos dias após o negócio, responde a vendedora por sua integridade, independentemente de ser usado e ter, ou não, sido feita prévia vistoria. Poder-dever do Juiz de Direito de não homologar a proposta de decisão do Juiz leigo e de proferir outra em substituição.

Recurso desprovido.

(Expediente nº 2.323, 1ª Turma Recursal do JECC/RS, Novo Hamburgo, Rel. Dr. Wilson Carlos Rodycz. j. 08.02.96, un.)."

35.899) CONSUMIDOR. DEFEITO DO PRODUTO.

A única prova produzida durante a instrução é de que o veículo vendido não conseguiu chegar ao seu destino, devido a graves defeitos no motor, havendo, por isso, inteira responsabilidade do vendedor pela indenização do valor do conserto pleiteado pelo autor.

Embora usado, o vendedor responde pela integridade do veículo, já que foi vendido como tal e não como sucata.

(Recurso nº 01196885196, 1ª Turma Recursal do JECC/RS, Estrela, Rel. Dr. Wilson Carlos Rodycz. j. 13.11.96, un.).

19. Com efeito, busca-se nos presentes embargos a desconstituição dos títulos postos em execução, como forma de compensação pelos danos materiais e morais causados ao embargante, provando suas alegações através dos documentos que seguem anexos bem como pela prova testemunhal a ser produzida, caso necessário.

III - DO PEDIDO

FACE AO EXPOSTO, forte no art. 745 do CPC, requer-se a Vossa Excelência:

1. A intimação da embargada, por seu representante legal, para que responda a presente, no prazo legal, sob pena de revelia e confissão;

2. O acolhimento dos presentes embargos, julgando procedente o pedido, para o fim de desconstituir os títulos postos em execução, como forma de compensação pelos danos materiais e morais sofridos pelo embargante, condenando a embargada, ainda, nos ônus advindos do princípio da sucumbência;

3. A concessão do benefício da Assistência Judiciária Gratuita, forte na Lei 1.060/50, uma vez que o embargante não tem condições de custear o processo sem prejuízo de seu sustento, já que ainda está pagando o conserto do veículo, do qual necessita para o trabalho;

4. A produção de todos os meios de prova em direito admitidos, em especial o depoimento pessoal do representante legal da demandada, o que desde já requer-se.

Valor da Causa: R$ ______

N. Termos

P. Deferimento

____________, ___ de __________ de 20__.

____________
OAB/


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Ação de reparação de danos de acidente de trânsito (02)
Contestação em que a ré, instituição financeira alega não utilizar de anatocismo
Contestação à medida cautelar inominada, requerendo-se a extinção do processo sem julgamento de m
Manifestação sobre as provas de pedido de guarda
Manifestação à contestação oposta aos embargos à execução, sob alegação de impenhorabilidade de b
Contestação à ação de reintegração de posse, sob alegação de cobrança de juros capitalizados em d
Contestação em ação de indenização interposta em face de erro em exame laboratorial feito pelo SU
Ação de indenização em face de abalroamento de veículos
Contestação apresentada perante ação de obrigação de fazer, reparos em edifício
Apelação interposta ante a procedência parcial de ação declaratória de nulidade de ato jurídico
Ação cautelar para sustação de protesto
Pedido de cancelamento de audiência