Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Contra-razões de apelação, pugnando-se pela manutenção da sentença que condenou o apelante ao pagamento em dobro dos valores pleiteados

Petição - Civil e processo civil - Contra-razões de apelação, pugnando-se pela manutenção da sentença que condenou o apelante ao pagamento em dobro dos valores pleiteados


 Total de: 15.244 modelos.

 
Contra-razões de apelação, pugnando-se pela manutenção da sentença que condenou o apelante ao pagamento em dobro dos valores pleiteados.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

AUTOS Nº .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente, nos autos em que colide com ....., à presença de Vossa Excelência apresentar

CONTRA-RAZÕES DE APELAÇÃO

pelos motivos que seguem anexos, requerendo, para tanto, a posterior remessa ao Egrégio Tribunal competente.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ....

ORIGEM: Autos sob n.º .... - ....ª Vara Cível da Comarca de ....
Apelante: ....
Apelados: .... e outros

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente, nos autos em que colide com ....., à presença de Vossa Excelência apresentar

CONTRA-RAZÕES DE APELAÇÃO

pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

CONTRA-RAZÕES

Colenda Corte
Eméritos julgadores

DOS FATOS

A r. sentença ora atacada não merece ser de forma alguma reformada, tendo em vista estar em perfeita harmonia com a justiça, conforme bem será demonstrado.

Insurge-se o apelante contra a integralidade da r. decisão, que declarou extinto o processo frente a pessoa jurídica e condenou a mesma ao pagamento de honorários advocatícios a razão de R$ .... (....), os quais, pretende o apelante, sejam elevados a mesma proporção da condenação que lhe foi imposta de 20% sobre a condenação. Igualmente, ataca a decisão de 1ª Instância quanto a procedência do pedido formulado quanto a pessoa física emitente do cheque, objeto do litígio, com a condenação do pagamento em dobro da importância, corrigido monetariamente e com incidência de juros de 6% ao ano, bem como condenação a honorários de 20% sobre a condenação, conforme citado anteriormente.

Carece a apelação do réu de qualquer fundamentação ou razão, tendo em vista que primeiramente, com relação condenação da ora apelada em pagar R$ .... (....) não merece ser modificada, uma vez que parece ter olvidado a requerida, que a mesma ocasionou a propositura do presente feito justamente em face de sua locupletação ilícita, frente ao ajuizamento, à época, de pedido de falência contra a pessoa jurídica e execução de cheque da pessoa física, diretor da empresa, emitido para pagar a dívida originária do pedido de falência, ou seja, cobrança dupla, indevida, referente a mesmo débito, conforme restou evidenciado plenamente no presente feito.

Ademais, é imperioso rememorar o fato de que, os profissionais que representam a ré, já receberam honorários advocatícios quando do pagamento da referida ação de execução, bem como, quando da elisão da falência, sendo absolutamente inverossímil pretender agora, também, a percepção de honorários advocatícios a mesma razão dos procuradores da autora, que, repita-se, somente necessitou valer-se do Judiciário, justamente tendo em vista o comportamento malicioso da ré, que cobrou a mesma dívida do devedor principal e de seu garante, figura a qual se equipara ao sócio da pessoa jurídica que emite cheque para a liquidação de encargos, recebendo assim de ambos, conforme exposto na r. decisão.

Em sendo assim, não há que se pretender modificação no concernente aos honorários advocatícios impostos à autora, frente a extinção do feito relativamente à pessoa jurídica, aos quais, a autora sequer se opôs.

De outra sorte, a condenação da ré ao pagamento da importância lançada no cheque em dobro, à pessoa física emitente, nada mais é do que a mais pura aplicação da justiça, eis que, restou evidenciado nos autos o "enriquecimento injusto da ré".

Além da prova documental acostada, embasando as alegações contidas na inicial, houve a produção de prova documental, de depoimento pessoal, onde claramente segundo a r. decisão ora atacada, o representante legal da ré "procurou minimizar a conduta de sua empresa, transferindo à advogada que anteriormente patrocinara seus interesses a responsabilidade de execução do cheque, ao afirmar que "o valor do cheque recebido após a elisão do pedido de falência foi entendido correto pela advogada ... razão pela qual NÃO OCORREU COMPENSAÇÃO de seu pagamento com os valores referentes aos títulos cobrados no processo falimentar." (grifo nosso)

Desta maneira, conforme bem afirmado pela douta decisão, o conteúdo do referido depoimento, somente veio a confirmar que o cheque subscrito pelo ora apelado ...., efetivamente, foi emitido para liquidar parte da dívida representada pelas duplicatas de emissão da pessoa jurídica ...., cujas cambiais foram quitadas com os acréscimos legais no processo de falência. Igualmente, afirma-se que é "inegável que parcela da dívida correspondente à correção monetária e juros de mora foi cobrada duplamente pela ré, que se opôs frontalmente ao pedido de compensação formulado pela .... no processo de falência," conforme provado nos autos.

Prosseguindo, diversamente do afirmado equivocamente pelo apelante, RESTOU PROVADA NOS AUTOS A MÁ-FÉ originária de cobrança excessiva, uma vez que o próprio representante da ré admitiu ter conhecimento de que se tratava do mesmo débito a ação de execução e o pedido de falência, bem como, da não concordância da empresa ré em compensar os valores, como pretendido pela apelada na época. Pretende a apelante esquivar-se da aplicação do artigo 940 do CC, com o frágil argumento de que a cobrança foi excessiva, porém de boa-fé, com pretensa aplicação indevida da Súmula 159 do STF.

Ocorre, que somente teria sido de boa-fé, se por um descuido da ré tivesse havido o duplo ajuizamento de medidas, o que restou não provado nos autos, eis que, repita-se, inversamente ao afirmado, o representante da mesma declarou conhecimento de toda a situação, portanto, afasta totalmente, qualquer nuance de boa-fé. Se assim o fosse, a ré quando procurada insistentemente para aceitar a compensação do valor pago e posteriormente para acerto amigável, a fim de se evitar o ajuizamento da presente medida e assim, mais prejuízos à ora apelada, teria concordado em devolver a importância cobrada excessivamente ao invés de negar-se a qualquer tipo de acerto.

Ora, se a apelante está atualmente na condição de concordatária, não é motivo para esquivar-se a atuar com conduta correta e compatível com seus clientes.

DO DIREITO

Conforme muito bem abordado pela r. decisão, a aplicação do artigo 940 do CC faz justiça ao autor e pune "de forma exemplar a ganância da credora."

Em sendo assim, a douta decisão deve ser mantida em sua integralidade, conforme evidenciado pela realidade dos autos, através da inicial, documentos e depoimentos, eis que, o pedido é justo e a sentença, ao acolhe-lo quanto ao autor, somente veio em socorro da justiça.

Igualmente os honorários fixados são totalmente coerentes com a realidade dos autos e do trabalho realizado, sendo, portanto, totalmente descabida a pretensão do apelante em redução dos referidos.

Ainda, conforme notificado na r. decisão, a alegação de enriquecimento ilícito da ré é correta, conforme abordado anteriormente, fundamentos estes que as alegações frágeis da apelante não puderam afastar.

DOS PEDIDOS

ISSO POSTO, REQUER digne-se V. Exa., em receber as presentes razões de apelado, acolhendo-as integralmente e assim julgando, negue provimento ao referido Recurso, mantendo a r. decisão, ora atacada, em sua integralidade, como única medida de JUSTIÇA!

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Ação de consignação em pagamento em face de valores relativos a contrato de mútuo hipotecário
Trata-se de embargos de devedor referentes à execução hipotecária
Réplica de ação de reintegração de posse
Pedido de indeferimento de juntada de documentos ao processo, por não trata-se de documentos novo
Ação de usucapião extraordinária (07)
Interposição de medida cautelar de sustação de protesto (02)
Extinção do feito de pedido de honorários ao curador
Impugnação à contestação em ação de indenização por danos morais em face de erro de instituição f
Procedimento especiail de jurisdição voluntária
Exceção de pré-executividade, na qual se requer a extinção do processo sem julgamento do mérito
Apresentação de testamento particular
Contestação de ação de usucapião de bem público