Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Ação de evicção, em face de compra de veículo furtado, sem o conhecimento da situação

Petição - Civil e processo civil - Ação de evicção, em face de compra de veículo furtado, sem o conhecimento da situação


 Total de: 15.244 modelos.

 
Ação de evicção, em face de compra de veículo furtado, sem o conhecimento da situação.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

AÇÃO DE EVICÇÃO

em face de

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

O autor adquiriu aos .../.../... do réu ...., pela importância de R$ ... (....) o automóvel ...., ano ...., placa ...., como se infere no Certificado de Propriedade expedido pela autoridade competente, doc. ....

A referida aquisição deu-se através de recibo firmado pelo réu, entregue que foi ao Departamento de Trânsito, para o devido registro.

Entretanto, o autor requereu junto ao DETRAN uma fotocópia do recibo de compra desde .../.../..., sem contudo até a presente data, ter sido atendido, doc. ....

Aos .... passado, o requerente pretendendo revalidar o emplacamento do veículo de sua propriedade, foi surpreendido com a afirmação de um funcionário do DETRAN, que haviam dois veículos com o mesmo número de chassis, ocasião que teve o seu veículo apreendido pela Delegacia de Furtos e Roubos...., doc. ....

Feita a perícia, constatou-se a adulteração do número do chassis, doc. .... e confirmou-se que o veículo tivera sido objeto de furto junto a seu legítimo proprietário ...., doc. ....

Por sua vez, o Autor procurou o réu no intuito de ter devolvido o preço que pagou pelo bem, além da indenização que teria direito pelos prejuízos daí decorrentes. Porém, muito embora as inúmeras tentativas que fez nesse sentido, não obteve êxito o requerente, porquanto, o réu não se dispôs jamais a compor suasoriamente a questão, não deixando, assim, outra alternativa ao autor, que não a pleiteada pela via da presente.

DO DIREITO

1. A RESPONSABILIDADE DO RÉU PELO VÍCIO DA EVICÇÃO

Não resta dúvida que o réu, perante o requerente, é responsável pela composição dos prejuízos que este sofreu, além evidentemente da devolução do preço da aquisição do veículo questionado.

1.1. A boa ou má-fé do réu. Sua irrelevância na espécie dos autos.

Não há, neste momento, razão para se perquirir se o requerido concorreu para o ato, que trouxe lesão ao autor, de boa-fé, ou, se pelo contrário, era conhecedor do vício que maculava o bem cujo domínio alienou.

É que, na verdade, e de qualquer maneira, na hipótese dos autos, estaria o réu obrigado a garantir a integridade jurídica da coisa que vendeu, já que legalmente responsável pelos riscos da evicção. Daí, com efeito a prescrição do artigo 447 do Código Civil Brasileiro, que impõe:

"Nos contratos onerosos, o alienante responde pela evicção. Subsiste esta garantia ainda que a aquisição se tenha realizado em hasta pública."

Fica, então, evidenciado que o alienante, em caso como o dos autos, responde, sempre, pelos riscos da evicção, independentemente da boa-fé ou da má-fé com que tenha agido ou concorrido, circunstâncias, aliás, que não foram objeto de distinção nem mesmo pela própria lei, o que afasta, desde logo, qualquer pretensão de defesa nesse sentido, dando lugar a máxima de que aquilo que a lei não distingue, não cabe ao intérprete distinguir.

Por outro lado, esse entendimento que torna irrelevante a existência ou não de dolo para caracterizar a responsabilidade do alienante ante ao adquirente pelos riscos da evicção, não é novo, pelo contrário, é jurisprudência pacífica e dominante desde há muito.

"Evicção. Caminhão apreendido pela Polícia - Ação do comprador contra o vendedor do veículo. .... Procedência. Aplicação do art. 447 do Código Civil.
A obrigação de o vendedor resguardar o adquirente dos riscos da evicção não depende da ocorrência de dolo ou má-fé do alienante, e só deixa de existir, quando excluída expressamente." (Grifamos) in RT 344, p. 458.

Ademais, a exclusão de que trata o aresto citado, que reproduz a condição estabelecida na parte final do artigo 447 do Código Civil, não existiu nas relações de direito material entre o réu e o autor, o que enquadra o primeiro na hipótese prevista na primeira parte do indigitado dispositivo legal.

1.2. A Sentença Judicial - Sua Dispensabilidade.

Sob um outro aspecto, muito embora a lei civil determine que o adquirente apenas poderá demandar pela evicção se foi privado da coisa pelos meios judiciais, não deve e nem pode tal entendimento e alusão servir de óbice à legitimidade ativa do requerente para a pretensão aqui deduzida.

É verdade que na espécie dos autos não houve decisão judicial. Isto, no entanto, não torna irrelevante o meio pelo qual o já mencionado veículo foi apreendido. Pelo contrário, a ação policial, da qual resulte a apreensão do bem quando legítima, tem sido equiparada à decisão judicial para os efeitos da ação de evicção.

Pois bem, outra não é a hipótese dos autos. Não houve e nem poderia ter havido controvérsia sobre a propriedade do veículo apreendido, porquanto a identidade deste com o vendido pelo réu ao autor era irrefutável, fazendo concluir que realmente o veículo adquirido pelo requerente tivera sido objeto de furto antes da aquisição ser efetivada. Esse fato, absolutamente inquestionável, tem o condão de tornar despiciente a sentença judicial, porque esta, se exigida na espécie, apenas serviria de instrumento repetitivo, com eficácia meramente ratificadora do ato policial anterior, o que não é de se admitir mesmo em face do princípio da economia processual.

"...
Ora, provado o negócio e a perda de posse do veículo pelo autor, em razão de sua origem delituosa, e consequentemente apreensão policial, tornou-se o réu, como vendedor, responsável pela evicção, uma vez que reconheceu o direito de terceiro sobre a coisa, o que dispensa sentença judicial a respeito." (Grifamos) in RT 344/458.

O mesmo entendimento é sufragado também pelo nosso Egrégio Tribunal de Alçada, que de há muito firmou posição no sentido de que, independentemente de prévia sentença, é o alienante responsável pela evicção perante o adquirente.

Assim:

"Ação de indenização contra vendedor de coisa furtada, independentemente de prévia sentença sobre a responsabilidade pela evicção. Apelo desprovido." Julgamento proferido no Acórdão 1.785, da 1ª Câmara Cível, relator SAID ZANLUTE.

E mais:

"EVICÇÃO - Automóvel - Veículo furtado - Apreensão pela Polícia - Indenização devida pelo vendedor - Verbas não contestadas - Ação procedente.
O evicto tem direito, além da restituição integral do preço, à indenização dos prejuízos que diretamente resultarem da evicção." In RT 521/110.

E ainda:

"EVICÇÃO: APREENSÃO DE VEÍCULO PELA POLÍCIA - DIREITO DO PREJUDICADO. A apreensão de veículo por ordem da autoridade policial e a sua entrega ao primitivo dono têm sido consideradas como situação que se inclui no âmbito da evicção. Em caso de evicção, o prejudicado tem direito à restituição integral do preço e à indenização das despesas que diretamente resultaram da evicção, além das custas processuais." In ADCOAS, nº 44/83, p. 715 - verbete 94.090 Tribunal de Justiça de Minas Gerais, 1ª CC em 20.06.83.

Nesse sentido, observa-se o acórdão sob o nº 226.817, publicado na Revista dos Tribunais -RT 517/ 69

"EVICÇÃO - AUTOMÓVEL - APREENSÃO PELA POLÍCIA - VEÍCULO FURTADO - AÇÃO DE INDENIZAÇÃO CONTRA O VENDEDOR - PROCEDÊNCIA - CORREÇÃO MONETÁRIA - APELAÇÃO NÃO PROVIDA.
Como demonstrou o apelado, a jurisprudência tem considerado situação similar à de evicção a do adquirente, que se vê despojado do bem adquirido por apreensão judicial, em razão do furto ou roubo ocorrido anteriormente à aquisição.
Aguarda-se, em tais circunstâncias, uma sentença judicial que reconheça o direito de tal vítima e implique na perda efetiva da coisa pelo adquirente será uma superfetação."
"EVICÇÃO - Automóvel furtado - Vendas sucessivas - Veículo apreendido - Indenização - Ação procedente.
Tratando-se de furto de automóvel, cabe ação de evicção, sem prévia decisão judicial, se dúvida alguma existe quanto à procedência criminosa do veículo e à legalidade da apreensão." In RT 479/60.

1.3 O Direito do Autor Quanto à Restituição do Preço

Dispõe a lei, o que vem sendo reiteradamente reconhecido e ratificado pela jurisprudência, que o evicto, na falta de estipulação em contrário, tem direito, conforme o artigo 450 do Código Civil Brasileiro:

"...
além da restituição integral do preço, ou das quantias que pagou:
I - A indenização dos furtos que tiver sido obrigado a restituir;
II - À indenização pelas despesas dos contratos e pelos prejuízos que diretamente resultaram da evicção;
III - Às custas judiciais e aos honorários do advogado por ele constituído."

A compra que o autor fez do réu do veículo questionado resultou no preço de R$ .... (....) à época (.../.../...) valor esse pago e recebido).

Tem direito o autor, portanto, e como conseqüência primeira e imediata disso, à restituição desse valor, com os juros e correção monetária.

1.4 O Direito do Autor Quanto à Indenização pelos Prejuízos Decorrentes da Evicção

O requerente, após o negócio efetivado com o réu, ficou com o veículo que lhe serve para o trabalho e ao conforto de seus familiares.

A conceituada revendedora .... forneceu ao autor uma declaração datada de ...., onde afirma que um veículo da mesma marca e ano de fabricação, em bom estado de conservação, tem o preço de mercado entre R$ .... e R$ ...., bem como a Cia. de Automóveis ...., afirmaram que um veículo nas mesmas condições o valor gira em torno de R$ .... a R$ ...., conforme dos. ....

Com efeito, todos os prejuízos que comprovadamente resultarem da evicção, por residir nela a sua origem causal, devem ser suportados e pagos pelo alienante da coisa. De tal sorte que, extreme de qualquer dúvida, deve o réu, na espécie dos autos, indenizar o autor, sem embargo da também devida restituição de preço, pelos prejuízos sofridos como conseqüência imediata do comprovado, do flagrante e manifesto vício que maculava o direito dominial transferido ao requerente.

O réu, muito embora notificado, não se manifestou, doc. ....

DOS PEDIDOS

Nestas condições, considerando a robusta prova documental que acompanha a presente, que faz concluir pela perfeita caracterização da evicção, face o indiscutível vício existente no direito de propriedade que o réu transmitiu ao autor, tornou-se evidente o direito deste ressarcir-se daquele, mediante a restituição do preço pago, bem como a indenização pelos prejuízos sofridos, requer-se a Vossa Excelência digne-se de determinar a citação do requerido, no endereço já indicado, para, querendo, contestar a presente, sob pena de revelia. Requer-se ainda, a procedência da ação, no sentido da condenação do réu pela restituição do preço pago no valor de R$ .... (....) corrigidos desde ...., acrescidos ambos de juros de mora e correção monetária, contados das datas de seu respectivo pagamento e desapossamento do bem, além das custas processuais e honorários de advogado.

Em cumprimento ao disposto no inciso IV do artigo 282 do CPC, requer-se a produção de todas as provas admitidas, especialmente o depoimento pessoal do réu, sob pena de confesso, oitiva de testemunhas e a juntada de novos documentos.

Dá-se à causa o valor de R$ .....

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Ação de alienação judicial de imóvel em condomínio, requerendo-se seja o mesmo avaliado e levado
Impugnação à habilitação de crédito
Trata-se de ação de indenização por ato ilícito cumulada com pedido de alimentos
Impugnação aos embargos à execução revisional de aposentadoria
Incidente de falsidade, requerendo-se a juntada de documentos no original para perícia, uma vez q
Aposentadoria por idade de trabalhador rural
Contestação apresentada por instituição bancária em pedido de indenização por inscrição de nome d
Resposta à interpelação judicial relativa à transferência de imóvel
Contestação à ação de indenização, alegando-se a ausência de culpa na perda do pátrio-poder por p
Contestação de ação de prestação de contas
Separação judicial litigiosa por relação homossexual
Ação ordinária de dissolução de união estável cumulada com separação de corpos, alimentos e parti