Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Oferecimento de queixa-crime em face de calúnia e difamação

Petição - Penal - Oferecimento de queixa-crime em face de calúnia e difamação


 Total de: 15.245 modelos.

 
Oferecimento de queixa-crime em face de calúnia e difamação.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CENTRAL DE INQUÉRITOS DE .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência oferecer

QUEIXA - CRIME

em face de

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

O ora querelante, ........., doravante denominado simplesmente de querelante, é sócio da empresa .........., sociedade privada de direito civil, com CNPJ/MF nº ......., com endereço na rua ........, nº ........, ....... andar , em ........./......, tendo como seus sócios ....... e ...., doravante denominados respectivamente de querelados.

Essa empresa está sediada na cidade de ............./...... e possui escritórios nas cidades de ......../......., ............./......., ........../........., ......../..........., ........./..... e ......../........, Tais informações constam do contrato social e aditivo (doc. nº ....). O querelante vinha desempenhando suas atividades profissionais junto ao escritório localizado em ......... - ...... .

A sociedade, como seria normal de se esperar, vinha tendo transcurso harmônico, havendo confiança entre todos os sócios, até o momento em que o querelante, no dia ..... de ......... de ......, recebeu informações de ........... e ............., funcionários do escritório de .............., de que as chaves do escritório sediado nesta localidade estariam sendo trocadas, assim como todos, a partir daquele momento estavam proibidos de atender ou falar com o querelante.

Neste momento, tomando ciência desse fato, e, como não conseguiu o querelante contatar com ............ ou ........., decidiu vir imediatamente para ........, volta de meio-dia, para se certificar do que estava ocorrendo, e, em cujo local iniciou as providências indispensáveis à resolução do impasse causado pelos fatos que a seguir se descrevem.

No mesmo dia, ..... (......) de ............. de ......, à partir das ...... horas, iniciaram-se uma série de telefonemas dos querelados ........ e ......., para a residência de sua família, com animus diffamandi, informando que o mesmo dera um golpe de R$ ....... (............) no escritório em que trabalhava, e, que estaria fugindo do país.

O primeiro telefonema foi recebido pela genitora do querelante, Sr.ª ..........., no qual, ......., com animus diffamandi, relatou que o ora querelante teria lesado o escritório em que ambos trabalhavam, dando um golpe no valor de R$ .............. . Também aduziu no mesmo telefonema o querelado .............. que tal golpe fora executado por ter, o ora querelante, conduzido processo relativo à empresa ................ de forma errônea, dolosamente e com má-fé. Também se referiu o querelado .............. que o querelante teria efetuado "uma falcatrua, um golpe, lesando o escritório" no valor antes referido.

A Sr.ª ......, foi ainda informada no referido telefonema por .............. que teria que encontrar o ora querelante de qualquer forma, senão o querelado "colocaria a polícia atrás dele". Antes de encerrar o telefonema o querelado ................. ainda disse que o ora querelante se encontrava foragido, levando consigo seu computador, o que denotava a intenção de fuga, tudo conforme declaração (documento nº ......).

Logo após esse despropositado e maldoso telefonema, a Sr.ª ............. comunicou-se com o ora querelante, que já se encontrava em .........., e lhe relatou o teor da conversa mantido via telefone com o querelado .........., assim como lhe pediu para que entrasse em contato com ............. e .........., os querelados.

Na mesma data de ....... (.......) de ........... de ..........., imediatamente após saber dos reprováveis fatos através de sua genitora, o ora querelante tentou entrar em contato com os querelados, contudo sem lograr êxito, pois ambos não aceitavam conversar, e xingado muito o querelante, exigiam sua presença em ................ imediatamente.

Não tendo outra saída, o querelante pediu para que ............, seu irmão ligasse para .............. e ................. para marcar uma reunião com os mesmo, a fim de se esclarecer os fatos. Neste telefonema, que ocorreu na mesma data de ...... (........) de ............ de..........., o querelado ..........., novamente com animus diffamandi falou que a reunião deveria ser realizada imediatamente, pois o fato de o querelante ter dado como "liquidada uma ação que tinha o valor de R$ ...............", era algo urgentíssimo, e que, se o querelante não entrasse em contato com ele em 20 minutos ele ira mandar a polícia atrás dele, sempre com a intenção de enxovalhar o nome e a honra do querelante tudo conforme declarações ( documento nº .....).

Apesar dos contatos mantidos, via telefone, pelo querelante, com os querelados ......... e ........., no sentido de se resolver a situação, o querelado .........., com animus diffamandi, novamente telefonou para a residência dos familiares do querelante, na mesma data (.... de ............. de ..........), ocasião em que, sua irmã, ..........., foi informada que o querelante estaria deixando o país em razão de ter dado um golpe no escritório e que o querelante estaria "encrencado" se efetivasse a suposta viagem, conforme declaração (documento nº .....).

Como se os fatos antes narrados não fossem suficientes, os telefonemas dos querelados não cessaram, tendo sido contactada na madrugada a Sr.ª ............, através de telefonema do querelado ............., já no dia .... de .............. de ........, por volta da ............... da manhã. Neste contato telefônico relatou ................., com animus diffamandi, que o ora querelante teria dado um golpe de R$ ..............., e que estava sabendo que o Sr. ........., seu namorado, estaria fugindo para os EUA com o querelante, conforme declaração (documento nº ....).

Mas não é só. Ainda na mesma madrugada de .... de ........... de ......., as inverídicas afirmações sobre o querelante foram divulgadas para o Sr. .........., o qual, na oportunidade, se encontrava a trabalho no Rio de Janeiro, estando hospedado no Hotel .........., localizado à rua ........ nº ........, no apartamento nº ......., como comprova os documentos de fls....... Nas primeiras horas do dia ...... de ........ de .........., recebeu o Sr. ........ um telefonema do querelado .............., no qual este relatou, com animus diffamandi, que o ora querelante teria dado um golpe no escritório em que ambos trabalhavam no valor de R$ ................ Ainda asseverou ..............., na ocasião, que o querelante, em prévio conluio com ele, ..................., estariam fugindo para os EUA com os referidos valores. Neste contato telefônico o querelado ............. ainda ameaçou .......... a não proceder dessa maneira, pois a polícia estava alertada sobre a fuga, e que o nome do querelante e de ............... já haviam sito comunicados à Polícia Federal. Durante essa noite foram várias as ligações efetuadas pelos querelados .............. e ........ a pessoa de ..........., envolvendo sempre as mesmas calúnias e difamações, conforme declarações (documentos nº ......).

Na manhã seguinte, dia ...... de ........... de ........, por volta das ........... horas, em contato telefônico travado entre a genitora do querelante, Sr.ª ....... e o querelado .............., este disse a mesma, com animus diffamandi, que possuía fitas gravadas, com as quais comprovaria a fraude levada a cabo pelo querelante em seu escritório de advocacia. No referido telefonema ainda aduziu ................... que possuía notas relativas a gastos efetuados pelo querelante que comprometeriam a honradez de seu comportamento, sempre com animus diffamandi, conforme declarações (documentos nº .....).

Neste ínterim, e na mesma data de .... de ............. de ........, o querelado ................ se deslocou para ............, e nesta ........... chegando, dirigiu-se a filial do escritório desta localidade, em cujas dependências ( rua ......... nº........., cjto ...... e .........) com animus diffundis, começou a acusar o querelante de ter fugido com R$ ........, xingando-o muito, e, repetidamente de "ladrão, vagabundo, salafrário e canalha".

Nas mesmas circunstâncias, o querelado ........... dirigindo-se a Sr.ª .........., funcionária do escritório à época dos fatos, disse que "o seu namorado (............) anda com o ................. e também é ladrão" e que se o Sr. ............. fosse preso com o querelante ele "acharia bom"., fatos estes todos presenciados pela Sr.ª ............, pelo Sr. ..........., Office-boy do escritório, por ............, recepcionista do escritório, e ainda por .........., funcionária da limpeza de respectivo prédio, conforme declarações de ................ (documento nº ....., já citado) e de ............. (documento nº ......).

Como se tudo não bastasse, no mesmo dia, o querelante foi ainda, ilegal e abusivamente impedido de entrar nas dependências do escritório de .............. Tal fato ocorreu quando, ao tentar entrar no escritório aqui em .........., foi impedido pelo porteiro de adentrar na empresa e seu local de trabalho. Afirmou ele (porteiro) que estava recebendo ordens do escritório, através do querelado ........, que assim agindo, praticou o crime de exercício arbitrário das próprias razões.

Neste ponto não seria demais anotar que o querelante é o locatário dos conjuntos comerciais onde sediava a empresa referida ( doc. nº ....), a qual está, dessa forma, sob sua responsabilidade. Assim por sua qualidade de sócio advogado, e locatário, o querelante tem direito a acesso ao escritório de ..............., constituindo-se arbitrário e ilegal qualquer ato que possa cercear sua permanência no escritório.

Nesta mesma oportunidade, o querelante também foi privado de apanhar suas correspondências pessoais e profissionais, pois também o porteiro teve ordem (do .............) de não entregá-las ao querelante. Posteriormente também certificou-se que os querelados suspenderam sua conta de e-mail (............ .com.br), desviando os e-mails que lá chegavam para conta que desconhece, atos os quais, perfazem o delito de sonegação de correspondência.

Concomitante aos fatos típicos perpetrados pelo querelado ............, e narrados na descrição dos fatos 8, 9 e 10, o querelado ........ enviou mensagem, via e-mail (documento nº ....), para todos os integrantes da empresa, com animus diffamandi, em que atribuía, em suma, a existência de várias irregularidades atribuídas ao querelante por suposta desídia e má-fé, em detrimento da empresa. Consta também na mensagem o objetivo de expulsar o autor da sociedade, na qual se lê o seguinte:

"Peço a cada um de Vv. Que retirem o nome de ............. do escritório. Depois, certamente será encaminhado forma mais organizada um novo timbre com as alterações pertinentes. ........... traiu a confiança de todos nós e de uma de nossas clientes. Por isso não faz mais parte de .......... ."

Esclarece-se que a abreviatura "........." constante do e-mail, refere-se à pessoa do querelante.

Deve-se ainda mencionar a retenção por parte dos querelados, de objetos e documentos pessoais que ficaram no escritório em................, como contas vincendas, extratos bancários, declarações de imposto de renda do querelante, de seus familiares, e de clientes, entre outros objetos, cuja devolução vem sendo negada, por ordenes de .............., assim agindo, cometeram o crime de exercício arbitrário de suas próprias razões.

DO DIREITO

Os réus encontram-se incursos nos ars. 138 e 139 do Código Penal.

DOS PEDIDOS

Diante de todo o exposto, e, em se havendo autoria certa e substancial prova de materialidade, conforme comprovam os documentos que ora se anexam, oferece-se a presente queixa-crime, de maneira que recebida a respectiva peça, sejam os querelados processados e finalmente condenados pelas práticas dos delitos a seguir pormenorizados.

a) no que se refere ao querelado ........., requer-se seja ele processado e condenado pelo cometimento dos estampados nos art. 138,139, este na forma do 141, III, c/c art. 69 (concurso material), todos de competência deste juízo, em face do momento consumativo ter ocorrido nesta ....., e, principalmente, na forma do que estabelece o art. 73 c/c art. 76, III, ambos do Código de Processo Penal.

b) no que se refere ao querelado .........., requer-se seja ele processado e condenado pelo cometimento dos estampados nos art. 138,139, este na forma do 141, III, c/c art. 69 (concurso material), todos de competência deste juízo, em face do momento consumativo ter ocorrido nesta ......., e, principalmente, na forma do que estabelece o art. 73 c/c art. 76, III, ambos do Código de Processo Penal.

Finalmente, recebida a presente peça, requer-se a citação dos querelados, nos endereços supramencionados, para que, querendo, venham aos autos e ofereçam defesa.

Outrossim, além dos endereços referidos no momento da qualificação dos querelados, esclarece-se que podem também ser encontrados, nesta ......... , no seguinte endereço: rua ......... nº ..........., cjto. .......... e ........, onde devem ser citados, preferencialmente.

Por último, requer-se a notificação das testemunhas abaixo arroladas para virem prestar declarações neste juízo em dia e hora designados por Vossa Excelência, de tudo ciente, os querelantes bem com o respeitável representante do Parquet, bem como a juntada da inclusa procuração, com os poderes específicos.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal