Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Penal Oferecimento de queixa-crime em face de calúnia e difamação

Petição - Penal - Oferecimento de queixa-crime em face de calúnia e difamação


 Total de: 15.244 modelos.

 
Oferecimento de queixa-crime em face de calúnia e difamação.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CENTRAL DE INQUÉRITOS DE .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência oferecer

QUEIXA - CRIME

em face de

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

O ora querelante, ........., doravante denominado simplesmente de querelante, é sócio da empresa .........., sociedade privada de direito civil, com CNPJ/MF nº ......., com endereço na rua ........, nº ........, ....... andar , em ........./......, tendo como seus sócios ....... e ...., doravante denominados respectivamente de querelados.

Essa empresa está sediada na cidade de ............./...... e possui escritórios nas cidades de ......../......., ............./......., ........../........., ......../..........., ........./..... e ......../........, Tais informações constam do contrato social e aditivo (doc. nº ....). O querelante vinha desempenhando suas atividades profissionais junto ao escritório localizado em ......... - ...... .

A sociedade, como seria normal de se esperar, vinha tendo transcurso harmônico, havendo confiança entre todos os sócios, até o momento em que o querelante, no dia ..... de ......... de ......, recebeu informações de ........... e ............., funcionários do escritório de .............., de que as chaves do escritório sediado nesta localidade estariam sendo trocadas, assim como todos, a partir daquele momento estavam proibidos de atender ou falar com o querelante.

Neste momento, tomando ciência desse fato, e, como não conseguiu o querelante contatar com ............ ou ........., decidiu vir imediatamente para ........, volta de meio-dia, para se certificar do que estava ocorrendo, e, em cujo local iniciou as providências indispensáveis à resolução do impasse causado pelos fatos que a seguir se descrevem.

No mesmo dia, ..... (......) de ............. de ......, à partir das ...... horas, iniciaram-se uma série de telefonemas dos querelados ........ e ......., para a residência de sua família, com animus diffamandi, informando que o mesmo dera um golpe de R$ ....... (............) no escritório em que trabalhava, e, que estaria fugindo do país.

O primeiro telefonema foi recebido pela genitora do querelante, Sr.ª ..........., no qual, ......., com animus diffamandi, relatou que o ora querelante teria lesado o escritório em que ambos trabalhavam, dando um golpe no valor de R$ .............. . Também aduziu no mesmo telefonema o querelado .............. que tal golpe fora executado por ter, o ora querelante, conduzido processo relativo à empresa ................ de forma errônea, dolosamente e com má-fé. Também se referiu o querelado .............. que o querelante teria efetuado "uma falcatrua, um golpe, lesando o escritório" no valor antes referido.

A Sr.ª ......, foi ainda informada no referido telefonema por .............. que teria que encontrar o ora querelante de qualquer forma, senão o querelado "colocaria a polícia atrás dele". Antes de encerrar o telefonema o querelado ................. ainda disse que o ora querelante se encontrava foragido, levando consigo seu computador, o que denotava a intenção de fuga, tudo conforme declaração (documento nº ......).

Logo após esse despropositado e maldoso telefonema, a Sr.ª ............. comunicou-se com o ora querelante, que já se encontrava em .........., e lhe relatou o teor da conversa mantido via telefone com o querelado .........., assim como lhe pediu para que entrasse em contato com ............. e .........., os querelados.

Na mesma data de ....... (.......) de ........... de ..........., imediatamente após saber dos reprováveis fatos através de sua genitora, o ora querelante tentou entrar em contato com os querelados, contudo sem lograr êxito, pois ambos não aceitavam conversar, e xingado muito o querelante, exigiam sua presença em ................ imediatamente.

Não tendo outra saída, o querelante pediu para que ............, seu irmão ligasse para .............. e ................. para marcar uma reunião com os mesmo, a fim de se esclarecer os fatos. Neste telefonema, que ocorreu na mesma data de ...... (........) de ............ de..........., o querelado ..........., novamente com animus diffamandi falou que a reunião deveria ser realizada imediatamente, pois o fato de o querelante ter dado como "liquidada uma ação que tinha o valor de R$ ...............", era algo urgentíssimo, e que, se o querelante não entrasse em contato com ele em 20 minutos ele ira mandar a polícia atrás dele, sempre com a intenção de enxovalhar o nome e a honra do querelante tudo conforme declarações ( documento nº .....).

Apesar dos contatos mantidos, via telefone, pelo querelante, com os querelados ......... e ........., no sentido de se resolver a situação, o querelado .........., com animus diffamandi, novamente telefonou para a residência dos familiares do querelante, na mesma data (.... de ............. de ..........), ocasião em que, sua irmã, ..........., foi informada que o querelante estaria deixando o país em razão de ter dado um golpe no escritório e que o querelante estaria "encrencado" se efetivasse a suposta viagem, conforme declaração (documento nº .....).

Como se os fatos antes narrados não fossem suficientes, os telefonemas dos querelados não cessaram, tendo sido contactada na madrugada a Sr.ª ............, através de telefonema do querelado ............., já no dia .... de .............. de ........, por volta da ............... da manhã. Neste contato telefônico relatou ................., com animus diffamandi, que o ora querelante teria dado um golpe de R$ ..............., e que estava sabendo que o Sr. ........., seu namorado, estaria fugindo para os EUA com o querelante, conforme declaração (documento nº ....).

Mas não é só. Ainda na mesma madrugada de .... de ........... de ......., as inverídicas afirmações sobre o querelante foram divulgadas para o Sr. .........., o qual, na oportunidade, se encontrava a trabalho no Rio de Janeiro, estando hospedado no Hotel .........., localizado à rua ........ nº ........, no apartamento nº ......., como comprova os documentos de fls....... Nas primeiras horas do dia ...... de ........ de .........., recebeu o Sr. ........ um telefonema do querelado .............., no qual este relatou, com animus diffamandi, que o ora querelante teria dado um golpe no escritório em que ambos trabalhavam no valor de R$ ................ Ainda asseverou ..............., na ocasião, que o querelante, em prévio conluio com ele, ..................., estariam fugindo para os EUA com os referidos valores. Neste contato telefônico o querelado ............. ainda ameaçou .......... a não proceder dessa maneira, pois a polícia estava alertada sobre a fuga, e que o nome do querelante e de ............... já haviam sito comunicados à Polícia Federal. Durante essa noite foram várias as ligações efetuadas pelos querelados .............. e ........ a pessoa de ..........., envolvendo sempre as mesmas calúnias e difamações, conforme declarações (documentos nº ......).

Na manhã seguinte, dia ...... de ........... de ........, por volta das ........... horas, em contato telefônico travado entre a genitora do querelante, Sr.ª ....... e o querelado .............., este disse a mesma, com animus diffamandi, que possuía fitas gravadas, com as quais comprovaria a fraude levada a cabo pelo querelante em seu escritório de advocacia. No referido telefonema ainda aduziu ................... que possuía notas relativas a gastos efetuados pelo querelante que comprometeriam a honradez de seu comportamento, sempre com animus diffamandi, conforme declarações (documentos nº .....).

Neste ínterim, e na mesma data de .... de ............. de ........, o querelado ................ se deslocou para ............, e nesta ........... chegando, dirigiu-se a filial do escritório desta localidade, em cujas dependências ( rua ......... nº........., cjto ...... e .........) com animus diffundis, começou a acusar o querelante de ter fugido com R$ ........, xingando-o muito, e, repetidamente de "ladrão, vagabundo, salafrário e canalha".

Nas mesmas circunstâncias, o querelado ........... dirigindo-se a Sr.ª .........., funcionária do escritório à época dos fatos, disse que "o seu namorado (............) anda com o ................. e também é ladrão" e que se o Sr. ............. fosse preso com o querelante ele "acharia bom"., fatos estes todos presenciados pela Sr.ª ............, pelo Sr. ..........., Office-boy do escritório, por ............, recepcionista do escritório, e ainda por .........., funcionária da limpeza de respectivo prédio, conforme declarações de ................ (documento nº ....., já citado) e de ............. (documento nº ......).

Como se tudo não bastasse, no mesmo dia, o querelante foi ainda, ilegal e abusivamente impedido de entrar nas dependências do escritório de .............. Tal fato ocorreu quando, ao tentar entrar no escritório aqui em .........., foi impedido pelo porteiro de adentrar na empresa e seu local de trabalho. Afirmou ele (porteiro) que estava recebendo ordens do escritório, através do querelado ........, que assim agindo, praticou o crime de exercício arbitrário das próprias razões.

Neste ponto não seria demais anotar que o querelante é o locatário dos conjuntos comerciais onde sediava a empresa referida ( doc. nº ....), a qual está, dessa forma, sob sua responsabilidade. Assim por sua qualidade de sócio advogado, e locatário, o querelante tem direito a acesso ao escritório de ..............., constituindo-se arbitrário e ilegal qualquer ato que possa cercear sua permanência no escritório.

Nesta mesma oportunidade, o querelante também foi privado de apanhar suas correspondências pessoais e profissionais, pois também o porteiro teve ordem (do .............) de não entregá-las ao querelante. Posteriormente também certificou-se que os querelados suspenderam sua conta de e-mail (............ .com.br), desviando os e-mails que lá chegavam para conta que desconhece, atos os quais, perfazem o delito de sonegação de correspondência.

Concomitante aos fatos típicos perpetrados pelo querelado ............, e narrados na descrição dos fatos 8, 9 e 10, o querelado ........ enviou mensagem, via e-mail (documento nº ....), para todos os integrantes da empresa, com animus diffamandi, em que atribuía, em suma, a existência de várias irregularidades atribuídas ao querelante por suposta desídia e má-fé, em detrimento da empresa. Consta também na mensagem o objetivo de expulsar o autor da sociedade, na qual se lê o seguinte:

"Peço a cada um de Vv. Que retirem o nome de ............. do escritório. Depois, certamente será encaminhado forma mais organizada um novo timbre com as alterações pertinentes. ........... traiu a confiança de todos nós e de uma de nossas clientes. Por isso não faz mais parte de .......... ."

Esclarece-se que a abreviatura "........." constante do e-mail, refere-se à pessoa do querelante.

Deve-se ainda mencionar a retenção por parte dos querelados, de objetos e documentos pessoais que ficaram no escritório em................, como contas vincendas, extratos bancários, declarações de imposto de renda do querelante, de seus familiares, e de clientes, entre outros objetos, cuja devolução vem sendo negada, por ordenes de .............., assim agindo, cometeram o crime de exercício arbitrário de suas próprias razões.

DO DIREITO

Os réus encontram-se incursos nos ars. 138 e 139 do Código Penal.

DOS PEDIDOS

Diante de todo o exposto, e, em se havendo autoria certa e substancial prova de materialidade, conforme comprovam os documentos que ora se anexam, oferece-se a presente queixa-crime, de maneira que recebida a respectiva peça, sejam os querelados processados e finalmente condenados pelas práticas dos delitos a seguir pormenorizados.

a) no que se refere ao querelado ........., requer-se seja ele processado e condenado pelo cometimento dos estampados nos art. 138,139, este na forma do 141, III, c/c art. 69 (concurso material), todos de competência deste juízo, em face do momento consumativo ter ocorrido nesta ....., e, principalmente, na forma do que estabelece o art. 73 c/c art. 76, III, ambos do Código de Processo Penal.

b) no que se refere ao querelado .........., requer-se seja ele processado e condenado pelo cometimento dos estampados nos art. 138,139, este na forma do 141, III, c/c art. 69 (concurso material), todos de competência deste juízo, em face do momento consumativo ter ocorrido nesta ......., e, principalmente, na forma do que estabelece o art. 73 c/c art. 76, III, ambos do Código de Processo Penal.

Finalmente, recebida a presente peça, requer-se a citação dos querelados, nos endereços supramencionados, para que, querendo, venham aos autos e ofereçam defesa.

Outrossim, além dos endereços referidos no momento da qualificação dos querelados, esclarece-se que podem também ser encontrados, nesta ......... , no seguinte endereço: rua ......... nº ..........., cjto. .......... e ........, onde devem ser citados, preferencialmente.

Por último, requer-se a notificação das testemunhas abaixo arroladas para virem prestar declarações neste juízo em dia e hora designados por Vossa Excelência, de tudo ciente, os querelantes bem com o respeitável representante do Parquet, bem como a juntada da inclusa procuração, com os poderes específicos.

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Penal
O Ministério Público pleiteia o óbice de saídas do réu de estabelecimento prisional ou sua transf
Recurso e razões de negatica em juízo roubo qualificado
Habeas corpus impetrado para livramento de preso
Notícia crime de duplicata simulada
Medida cautelar de busca e apreensão domiciliar sem a apresentação de justificativa pelo delegad
Absolvição por desconhecimento da origem criminosa e falta de prova
Requerimento para revogação de prisão preventiva decretada pelo não comparecimento do acusado à a
Pedido de relaxamento do flagrante - Crime de homicídio
Defesa prévia sob alegação de que não participou de crime de homicídio
Contrariedade ao libelo acusatório de pedido de antecedentes da vítima
Agravo na execução criminal
Inexistência de fato grave que justifique a medida