Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Consignação em pagamento do valor devido a título de indenização por acidente de veículo

Petição - Civil e processo civil - Consignação em pagamento do valor devido a título de indenização por acidente de veículo


 Total de: 15.244 modelos.

 
Consignação em pagamento do valor devido a título de indenização por acidente de veículo, em face de conflito entre a viúva e a companheira do "de cujus".

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

em face de

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ..... e ....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

DOS FATOS

Em ...., ocorreu um acidente de trânsito na ...., no trecho entre .... e ...., no qual faleceu ...., que estava dirigindo o veículo ...., ano ...., cor ...., placa ...., conforme prova-se pelos documentos em anexo.

Com o falecimento da vítima acima mencionada, tornou-se devido pela consignante, o pagamento da indenização relativa ao seguro obrigatório, cujo valor corresponde à R$ .... (....).

De acordo com a Certidão de Óbito (doc. ....), Certidão de Casamento e Cédula de Identidade da primeira consignada, o "de cujus" era casado com a .... e possuía .... filhos, conforme prova-se pelas Certidões e documentos em anexo.

No entanto, após o falecimento de ...., se habilitaram junto a consignante pleiteando o recebimento da indenização do seguro obrigatório, tanto a viúva como a companheira, surgindo, com isto, a dúvida quanto a quem pagar.

Da documentação apresentada à consignante não consta que o o de cujus tivesse se separado judicialmente da primeira consignada, o que pode caracterizar como irregular a situação do mesmo com a segunda consignada, pessoa então que seria inibida de receber a indenização do segundo, em conformidade com o disposto do art. 4º da Lei nº 6.194/74.

A consignante, não fugindo à responsabilidade indenizatória, porém, reservando-se no direito de proceder com cautela, vem deixar ao alvitre deste juízo a decisão de quem deva receber o valor devido pela indenização em questão, pois, conforme verifica-se nos documentos juntados aos autores, a segunda consignada alega que vivia maritalmente com o falecido, quando do acidente que sofreu o seu companheiro, porém, a viúva alega que ainda era casada com a vítima.

DO DIREITO

Com o impasse da habilitação das duas consignadas, pleiteando o pagamento da indenização do seguro obrigatório, a consignante ficou na dúvida sobre quem deve legitimamente receber a indenização securitária, pois o art. 4º, da Lei nº 6.194/74, estabelece:

"Art. 4º A indenização no caso de morte será paga na constância do casamento, ao cônjuge sobrevivente; na sua falta, aos herdeiros legais. Nos demais casos o pagamento será feito diretamente à vítima na forma que dispuser o Conselho Nacional de Seguros Privados.
§ 1º Para fins deste art. a companheira será equiparada à esposa, nos casos admitidos pela Lei previdenciária; o companheiro será equiparado ao esposo quando tiver com a vítima convivência marital atual por mais de cinco anos, ou convivendo com ela, do convívio tiver filhos."

Ocorrendo dúvida sobre quem deva receber o pagamento do seguro em questão, o Código Civil dispõe, em seu art. 335, inc. IV, que a mesma deve ser efetuada em consignação:

"Art. 335. A consignação tem lugar:
I - omissis
II - omissis
IV - se ocorrer dúvida sobre quem deva legitimidade receber o objeto do pagamento."

Já, o Estatuto Processual Civil, em seu art. 895, determina:

"Art. 895. Se ocorrer dúvida sobre quem deva legitimamente receber o pagamento, o autor requererá o depósito e a citação dos que o disputam para provarem o eu direito."

Assim sendo, diante da mencionada dúvida sobre quem deva legitimidade receber a quantia estipulada para cobertura do seguro, a consignante pretende salvaguardar os seus direitos e realizar o pleno cumprimento de suas obrigações legais e contratuais, evitando, desde logo, qualquer possibilidade de discussão em relação ao pagamento.

DOS PEDIDOS

Isto posto, e considerando o que mais dos presentes autos consta, requer de Vossa Excelência:

a) seja acatada a presente ação e designado dia e hora para a consignante efetuar o depósito da indenização relativa ao seguro obrigatório, no valor correspondente à R$ .... (....);
b) seja determinada a citação das consignadas, pelo Correio, via AR, nos endereços declinados acima, para caso queiram, virem a Juízo provarem seu direito e receberem a importância depositada;
c) na eventualidade de discussão entre as consignada, quanto aos seus direitos de receber a indenização, seja a presente julgada procedente com a conseqüente liberação da obrigação por parte da consignante e extinção dessa da ação;
d) com a procedência da ação, sejam fixados os honorários advocatícios da consignante, em percentual sobre a importância depositada, com a respectiva correção se houver, e que esta importância, bem como tudo o que for devido em razão da sucumbência, seja deduzida do valor depositado e paga a consignante e seus advogados, por ocasião da liberação da obrigação, ficando o remanescente depositado em caderneta de poupança a disposição desse juízo até o deslinde da questão entre as consignadas, por ser este o entendimento de nossos tribunais (Nota 3 do comentário do art. 898, in Código de Processo Civil - Theotonio Negrão - 26º edição - 1995 - Editora Saraiva);
e) se necessário for, a produção de todos os meios de provas em direito admitidos, em especial a juntada de novos documentos, depoimento pessoal das consignadas, depoimento de testemunhas, etc.

Dá-se à causa o valor de R$ ......

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Ação de indenização por danos morais e materiais, face à atropelamento que levou a vítima a óbito
Apelação de sentença que condenou instituição bancária a pagamento de honorários advocatícios
O réu em ação de reparação de danos se manifesta sobre a impugnação à contestação, apresentada pe
Ação de rescisão de negócio jurídico, cumulada com pedido de devolução de arras em dobro, pelo ri
Expedição de ofício à receita federal
Impugnação à contestação em ação revisional de acordo, impugnando-se as preliminares de conexão,
Mandado de registro da penhora
Interposição de embargos de terceiro, face à aquisição de imóvel por contrato de gaveta
Medida cautelar de notificação judicial interposta por credor
Pedido de citação por carta precatória
Ação civil pública com pedido de tutela antecipada
Ação de locupletamento ilícito, ante falta de aposição de aceite em duplicata e inexistência de c