Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Ação de reintegração de posse ante a inadimplência de compromisso de compra e venda

Petição - Civil e processo civil - Ação de reintegração de posse ante a inadimplência de compromisso de compra e venda


 Total de: 15.244 modelos.

 
Ação de reintegração de posse ante a inadimplência de compromisso de compra e venda.

 

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA COMARCA DE ....., ESTADO DO .....

....., brasileiro (a), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ..... e ....., brasileiro (a), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., casados entre si, residentes e domiciliados na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vêm mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE

em face de

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de dirieto a seguir aduzidos.

DOS FATOS

Em ........ e sua esposa, ....., promitentes-vendedores, firmaram contrato de compromisso de compra e venda com ......., promissário- -comprador e ainda, através de instrumento particular com registro no Cartório de Títulos e Documentos da comarca de ........

O objeto desta avença foi imóvel sediado no Município de ......... assim descrito:

Imóvel composto pelos lotes de terreno .. e .. da quadra ... da Planta Núcleo Residencial ...... - 1ª parte, localizado no local denominado de ......, no município de ........ estado do ......., contendo um barracão em alvenaria.

O preço do imóvel à época era de R$ ........., devendo tal valor, conforme estipula a cláusula primeira, ser pago em prestações mensais, com vencimentos no dia ... de cada mês, a partir de ......... daquele ano, da seguinte forma:

As três primeiras parcelas, no valor de R$ ........ cada uma; a quarta, no valor de R$ ..........; da quinta à última, no valor de R$ ..........., até final pagamento.

Acordaram as partes também que, no dia de seu vencimento, a parcela seria acrescida de juros, equivalentes ao rendimento da caderneta de poupança durante o mesmo período.

A cláusula sexta do referido instrumento previu que, caso duas das prestações vencidas não fossem pagas nos seus respectivos vencimentos, teriam os promitentes-vendedores, ora requerentes, a faculdade de constituir o promissário-comprador, requerido nesta ação, em mora; estando o devedor sujeito à aplicação de cláusula penal de 10%, em virtude do atraso ou em caso de intervenção judicial; estipulou-se ainda que o devedor ( promitente comprador) arcaria com as custas processuais e honorários advocatícios fixados em 20%.

Através de notificação extrajudicial, encaminhada e devidamente registrada pelo cartório de Registro de Títulos e Documentos de .........., protocolo n.º ....... foi constituído o Sr. ................. - requerido - em mora, tendo-se em vista o não cumprimento do acordado e o atraso no pagamento, concedendo-se-lhe a faculdade de purgá-la no prazo máximo de dez dias, a partir do recebimento da interpelação, o que se deu em .......... do corrente ano, consoante o disposto no art. 960 2ª parte CC e art. 160 da Lei n.º 6.015/73 (Lei dos Registro Públicos).

Ora, o devedor foi devidamente constituído em mora, conforme comprova a cópia da notificação extrajudicial a ele enviada anexa a esta inicial. Isto, após ter deixado de pagar inúmeras parcelas referentes ao compromisso em questão. Já tendo decorrido 30 dias desde o recebimento da interpelação e tendo-se em vista o artigo 14 do Decreto - Lei 58, adiante transcrito, o contrato está rescindido de pleno direito.

Dispõe o decreto-lei 58, de 10.12.37, que trata do loteamento e da venda de terrenos para pagamento em prestações:

"Art. 14. Vencida e não paga a prestação, considera-se o contrato rescindido 30 dias depois de constituído em mora o devedor."

DO DIREITO

Celebraram as partes compromisso de compra e venda, negócio jurídico pertencente à categoria dos contratos preliminares, prometendo, reciprocamente, levar a efeito uma compra e venda, contrato este de natureza autônoma, distinguindo-se do contrato definitivo de compra e venda por seu conteúdo.

Em sua obra "Direito Civil", vol. 3, página 176, Silvio Rodrigues ensina:

"Na compra e venda, o vendedor se obriga a transferir o domínio e este efetivamente se transfere, com a transcrição do título no Registro de Imóveis. Todavia, na mera promessa bilateral de venda e compra, o promitente vendedor apenas promete que, no futuro, e se receber o preço, venderá o imóvel prometido. De modo que continua titular do domínio, o qual será de futuro transferido. Tal posição constitui, obviamente, excelente garantia para o vendedor."

Na verdade, através da promessa de compra e venda, transferiram os ora autores apenas a posse imediata ou direta do imóvel ao requerido, mantendo para tanto a posse mediata (indireta) quanto, e principalmente, a propriedade.

É aplicável portanto a regra contratual: "exceptio non adimpleti contractus" cabendo à parte prejudicada pelo inadimplemento o direito à sua cobrança. É esta a posição adotada pelo eminente jurista Orlando Gomes em sua obra "Contratos", 17ª ed., página 244:

"As circunstâncias de irretratabilidade do compromisso e de atribuição de direito real ao promitente-comprador não impedem a resolução do contrato por inexecução, ou sua dissolução por mútuo consentimento. Nesses contratos, o pagamento do preço é parcelado, de modo que se a parte obrigada a pagar as prestações deixa de cumprir a obrigação, tem a outra direito a pedir sua resolução, ainda que a mora do devedor só se caracterize após o decurso de certo prazo contado da interpelação. Resolvido o contrato, cancela-se o direito real, isto é, a anotação preventiva."

Quanto a este direito real transmitido, discorre ainda o mesmo autor, com o brilhantismo que lhe é característico, na obra já citada, página 245:

"A doutrina não delineou ainda com a necessária precisão os contornos desse direito real. Inadmissível assimilá-lo ao direito de propriedade. Para aceitá-lo, preciso seria chegar ao absurdo de que, com o registro imobiliário da promessa, se transfere o domínio. Se a transmissão da propriedade ocorresse nesse momento, seria uma superfetação a exigência legal do título translativo, seja a escritura definitiva, seja a sentença de adjudicação. Ademais, a anotação preventiva do contrato de promessa irrevogável não determina a modificação do seu registro. A propriedade do bem continua em nome do promitente-vendedor, embora com o ônus, com que foi limitada. Evidente se torna, assim, que o compromissário não tem o direito real sobre coisa própria. É verdade que o direito do promitente-vendedor ou compromitente se converte praticamente numa "recordação da propriedade", esterilizando-se por completo, mas que pode voltar à plenitude se o contrato for resolvido. Sem dúvida alguma o direito do compromissário é tão extenso que se assemelha ao domínio útil. Tem ele a posse do bem, podendo exercer as faculdades de uso e gozo. Admite-se até que ele exerce o poder de disposição no uso da prerrogativa de trespassar o contrato, mas nem por isso é dono do imóvel que prometeu comprar. Habilitando terceiro a adquiri-lo, cede apenas seus direitos, na medida em que os tem, sem poder afirmar que a cessão implica transferência de domínio."

E prossegue, na página seguinte:

"O direito real sui generis do compromissário reduz-se, verdadeiramente, à simples limitação do poder de disposição do proprietário que o constitui."

É posição doutrinária pacífica também a possibilidade de extinção da promessa de compra e venda através da resolução, sendo bastante freqüente na impontualidade do pagamento das prestações, e sendo o comprador interpelado pelo vendedor para constitui-lo em "mora solvendi", o que se fará 30 dias após a notificação se não purgá-la.

"Direito Civil", Silvio Rodrigues, vol. 5, 18ª ed., p. 62:

"São pressupostos necessários para o êxito da reintegração: que tenha havido esbulho e que o mesmo date de menos de um ano e dia.
Se a prova destes fatos for veemente, ou se dele se convencer através de justificação, pode o juiz, ainda aqui, ordenar expedição de mandado liminar de reintegração, devolvendo-se a coisa esbulhada à vítima, antes mesmo de se ouvir o esbulhador."

"Curso de Direito Civil", Washington de Barros Monteiro, 3º vol., 28ª ed., p. 48, ao discorrer sobre a ação de reintegração de posse:

"Esse interdito tem por escopo a recuperação da posse perdida ou esbulhada. Segundo o disposto do citado art. 499 da lei civil, cabe tal ação ao possuidor esbulhado, a fim de ser restituído na posse da coisa.
A reintegração é processo judicial pelo qual se realiza o princípio de direito canônico expresso pelo adágio spoliatus ante omnia restituendus. Seus pressupostos acham-se enumerados no art. 927, do Código de Processo Civil: a) a posse do autor; b) o esbulho praticado pelo réu; c) a data do esbulho; d) a perda da posse, na ação de reintegração.
(...)
Identicamente, cabe o interdito na hipótese em que o compromissário-comprador deixa de pagar as prestações avençadas, ou quando o locador de serviços, dispensado pelo patrão, não restitui a casa que recebera para moradia. A regra, portanto, é esta: caracteriza-se o esbulho não só por atos de violência, como também por toda e qualquer moléstia aos direitos do possuidor, como quando ocorra recusa de restituir a coisa que deva ser restituída."

Preceitua o artigo 926 do Código de Processo Civil brasileiro:

"Art. 926. O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação e reintegrado no de esbulho."

Por sua vez, o artigo 928 autoriza a concessão de liminar de reintegração, sem ouvir a parte contrária, como se vê:

"Art. 928. Estando a petição inicial devidamente instruída, o juiz deferirá, sem ouvir o réu, a expedição do mandado liminar de manutenção ou de reintegração;(...)"

Theotônio Negrão in "Código de Processo Civil e legislação processual civil em vigor", 27ª ed., p. 762, nota 2a:

"Sem embargo da notificação ('rectius', interpelação) pelo cartório ter incluído multa pactuada, não contemplada no art. 14 do DL 58/37, apresenta-se a mesma válida para os fins da constituição em mora do promissário-comprador inadimplente" (STJ - 4ª Turma, Resp 2.235 - SP, rel. Min. Sálvio de Figueiredo, j. 24.4.90, deram provimento, v.u., DJU 28.5.90, 1ª col., em.)

Theotônio Negrão in "Código de Processo Civil e legislação processual civil em vigor", 27ª ed., p. 763, nota 6a:

"SÚMULA DO STJ SOBRE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA: Súmula 76 do STJ (Mora no compromisso de compra e venda): "A falta de registro do compromisso de compra e venda de imóvel não dispensa a prévia interpelação para constituir em mora o devedor"

"Súmula 412 do STF: "No compromisso de compra e venda com cláusula de arrependimento, a devolução do sinal, por quem o deu, ou a sua restituição em dobro, por quem o recebeu, exclui indenização maior, a título de perdas e danos, salvo os juros moratórios e os encargos do processo".

Theotônio Negrão in "Código de Processo Civil e legislação processual civil em vigor", 27ª ed., p. 765, nota 4:

"Dec. lei 745, de 7.8.69 - Dispõe sobre os contratos a que se refere o art. 22 do Dec. lei 58, de 10 de dezembro de 1937, e dá outras providências" (RT 406/385, Lex 1969/1.274):

"Art. 1º Nos contratos a que se refere o art. 22 do Decreto-Lei n.º 58, de 10 de dezembro de 1937, ainda que deles conste cláusula resolutiva expressa, a constituição em mora do compromissário-comprador depende de prévia interpelação judicial, ou por intermédio do cartório de Registro de Títulos e Documentos, com quinze (15) dias de antecedência"

Theotônio Negrão in "Código de Processo Civil e legislação processual civil em vigor", 27ª ed., p. 766, notas 9 e 10:

"9. A notificação para constituição em mora, quando o contrato foi levado ao registro de imóveis, deve ser feita ao marido e à mulher (RTJ 35/548, 43/429, 50/441, 93/222; STF - RT 415/183, 468/211, 469/163, 470/183); em caso contrário, só ao marido" (RTJ 73/944, 81/587, 84/1.051; STF - JTA 94/211). Com maioria de razão, a notificação da mulher é desnecessária se, além de não inscrito o contrato, ela não figurou nele." (RTJ 73/948, JTA 59/233, RF 256/211).

"10. É ineficaz a interpelação se o compromitente vendedor exige mais do que o devido (RT 510/149, 537/117, 541/137), ou não menciona o "quantum" exigido (RT 541/137, JTA 61/100, maioria) com a "indispensável clareza" (STJ - 3ª Turma, Resp. 41.368-0-SP, rel. Min. Eduardo Ribeiro, j. 7.6.94, deram provimento, v.u., DJU 27.6.94, p. 16.975, 1ª col., em.). Mas a necessidade da constituição do devedor em mora, como pressuposto processual da ação de rescisão de compromisso de compra e venda, não impede a incidência dos juros legais, que decorrem do simples atraso no pagamento da dívida (RT 541/160)."

"POSSESSÓRIA - Reintegração liminar - Requisitos necessários. A reintegração liminar, medida excepcional e violenta, somente há de ser decretada com a prova cabal do esbulho." (TJSC - AI 2.137 - Biguaçu - 3ª c. - agtes.: Trajano Carlos da Silva e sua mulher - agdos.: Álvaro Moura de Carvalho e sua mulher - j. 22.6.82 - rel. Des. Wilson Guarany - v.u.)

"POSSESSÓRIA - Reintegração de posse - Liminar concedida - Desnecessidade de justificação - Aplicação dos arts. 924, 927 e 928 do CPC.
Verificados os pressupostos da ação (art. 927 do CPC) e estando o articulado devidamente instruído, o juiz deferirá, sem ouvir o réu, a expedição do mandado respectivo, sendo-lhe defeso sujeitar o autor à justificação prévia quando desnecessária, consoante a exegese dos arts. 506 do CC e 928 do CPC.
A medida, concedida à entrada, antecedendo a discussão processual, pode eventualmente ser cassada no curso da lide e, bem assim, revigorada, quando desobedecida após seu cumprimento.
Agravo de instrumento 2.128 - Laguna - Agravantes: Fulgêncio Duarte e sua mulher - Agravados: Manoel Francisco de Souza e sua mulher e outros."

"POSSESSÓRIA - Reintegração de posse - Liminar concedida - Justificação determinada - Admissibilidade - Inexistência de pedido do demandante - Irrelevância - Faculdade do juiz.

Ao juiz é dado, com vistas à apreciação do pedido de adiantamento liminar da proteção possessória, facultar a realização de justificação se entender insuficientes, para esse feito, os elementos probatórios oferecidos com a inicial. A determinação insere-se entre os poderes de direção do processo conferidos ao juiz.

N. 311.854 - Cotia - Agravante: Pedro Francisco dos Santos - Agravado: Espólio de Abramas Arnoldo Felmanas."

"POSSESSÓRIA - Reintegração de posse - Existência de compromisso preliminar de compra e venda - Mora do promitente comprador - Hipótese de cumulação com ordinária de rescisão contratual - Petição inicial - Omissão - Carência de possessória".

"POSSESSÓRIA - Reintegração de posse - Existência de compromisso preliminar de compra e venda - Mora do promitente comprador - Notificação - Irrelevância - Carência de possessória.

A notificação para caracterizar a mora do promitente comprador, por si só, não é eficaz para desconstituir o negócio jurídico objeto de contrato preliminar de compra e venda, que, enquanto não declarado rescindido, em procedimento ordinário, prevalece e impõe a carência da reintegração de posse. (Red.)

Apelação cível 52.401 - Rio de Janeiro - Apelantes: Sérgio Luiz Rodrigues Lopes e sua mulher - Apelado: Domingos Octávio Ferreira Monteiro."

DOS PEDIDOS

Tendo-se em conta que os fatos narrados e os dispositivos legais enfocados autorizam a pretensão, requerem:

a) seja deferida, liminarmente, a reintegração dos autores na posse do imóvel retro descrito;

b) seja citado o réu para contestar a ação, querendo, no prazo legal e sob as penas da lei;

c) seja, ao final, julgada procedente a presente medida, confirmando-se a decisão liminar, condenando-se o réu ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios;

d) protesta pela produção de todos os meios em Direito admitidos.

Dá-se à causa o valor de R$ ......

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Pedido de indenização em face de erro médico
Contestação à ação de indenização por erro médico, em que o réu alega que tal atividade é de meio
Habilitação de crédito de falência
Ação de interdito proibitório
Contra-razões de recurso especial, pugnando-se pela manutenção da decisão recorrida
Ação popular de compra irregular de imóvel
Ação declaratória de nulidade de título judicial
Agravo de instrumento em face de decisão que considerou intempestivos os embargos à execução
Pedido de reparação civil devido à furto de veículo em supermercado
Agravo de instrumento de isenção do PIS
Incidente de falsidade, no qual se alega que a assinatura em termo de rescisão contratual é falsa
Ação ordinária de declaração de crédito cumulada com repetição de indébito