Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Ação de indenização, ante alagamento de imóvel em decorrência de obras feitas pelo Município

Petição - Civil e processo civil - Ação de indenização, ante alagamento de imóvel em decorrência de obras feitas pelo Município


 Total de: 15.244 modelos.

 
Ação de indenização, ante alagamento de imóvel em decorrência de obras feitas pelo Município.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA .... VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE .....

DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA
AUTOS Nº .... / AÇÃO CAUTELAR

....., brasileiro (a), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ..... e ....., brasileiro (a), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., casados entre si, residentes e domiciliados na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vêm mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

AÇÃO ORDINÁRIA DE INDENIZAÇÃO

em face de

MUNICÍPIO DE ...., pessoa jurídica de direito público interno, com endereço na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

PRELIMINARMENTE

DA COMPETÊNCIA

Os autores promoveram perante esse respeitável Juízo, a Medida Cautelar de Produção Antecipada de Provas, autos nº ..../...

No entender de Humberto Teodoro Junior, in Comentários ao Código de Processo Civil, Vol. V, 1ª Edição, pg. 305:

"Não mais deve perdurar a controvérsia sobre a prevenção do Juiz da antecipação de prova para a Ação Principal.
Não se trata de simples feito de jurisdição voluntária ou de mero expediente probatório da livre disponibilidade do interessado. A antecipação de prova é ação cautelar que já coloca 'sub judice' à lide.
Nem sequer pode o promovente, como se dava no regime do código revogado, retirar os autos do Cartório para fazer deles o uso que julgar conveniente.
Agora, devem os autos permanecer em Cartório aguardando a propositura da Ação Principal.
É evidente, assim, que a competência do juiz da vistoria se torna preventa."

Por isso, estando preventa a competência desse juízo, requer a distribuição por dependência.

DO MÉRITO

DOS FATOS

Os autores, conforme se infere dos documentos que instruíram os autos de Produção Antecipada de Provas, eram locatários do imóvel situado na Av. .... nº ...., onde residiam por mais de .... anos.

O terreno onde encontrava-se edificado o imóvel, segundo informações de seu proprietário à época da construção, encontrava-se em igual nível da rua.

Ocorre, porém, que em virtude da execução de serviços de aterro realizado pela Secretaria de Obras, o Município promoveu o levantamento da mencionada artéria, sem atentar para a situação dos imóveis ali já existentes.

Acontece, que pela depressão do aterro então executado e em função da ação do tempo, com o passar dos anos, as valas e manilhas existentes foram agrupando-se desordenadamente, ocasionando a calamidade ocorrida em .... de .... de ...., que resultou no alagamento total do imóvel, com nível de águas e detritos chegando até o teto.

Segundo o Laudo Pericial elaborado pelo E2."expert", o alagamento deu-se em conseqüência das tubulações estarem funcionando a meia-seção além de obstruídas por detritos e vegetação, devido a falta de manutenção preventiva.

Afirmando mais, ao concluir o documento oficial, que a manutenção de tais galerias (águas pluviais), existentes em frente a residência dos requerentes compete à municipalidade local.

DO DIREITO

No artigo 43 da Lei Substantiva Civil, está bem definida a responsabilidade das pessoas jurídicas de direito público.

Subsiste para essas pessoas, tal como sucede com as de direito privado ou com as pessoas naturais ou físicas, a responsabilidade pelos danos que causarem.

Clóvis Bevilaqua, com a clareza habitual discorre sobre o assunto:

"Excluir os atos de autoridades é desconhecer que o fundamento da responsabilidade civil é princípio universal de que toda lesão de direito deve ser reparada, todo dano ressarcido, e que o Estado, tendo por função principal realizar o direito, não pode chamar a sí o privilégio de contrariar, no seu interesse, esse princípio de Justiça." (in Responsabilidade Civil de Afranio Lira)

Em decorrência do alagamento, os requerentes acabaram perdendo todos os objetos que guarneciam o imóvel.

O prejuízo foi total. Fato agravado em virtude dos detritos acumulados pelo esgoto sanitário domiciliar utilizado indevidamente pelos vizinhos da redondeza, que sempre utilizaram a mesma canalização.

O direito dos requerentes deflui de texto expresso em lei, pois:

"Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência, ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito." (art. 186 do Código Civil)

A responsabilidade do Município pelo incidente mostra-se manifestamente pacífica, apoiada por significativa orientação doutrinária:

"As galerias públicas e os bueiros são feitos para o escoamento das águas pluviais e devem ser mantidos limpos e desobstruídos de detritos, ou de quaisquer resíduos. Por este fato o Município não pode omitir-se e deixar de repará-los incessantemente para ajustá-los às suas necessidades e aos fenômenos da natureza, evitando transbordamentos conseqüentes dos temporais.
Se se descura desse dever, se não os conserva pontualmente e dessa falta de cuidado advém o transbordamento de águas que atingem bens de terceiros, essa deficiência de seus serviços a torna responsável pelos prejuízos que causar." (in A Responsabilidade Civil na Doutrina e na Jurisprudência - Ulderico Pires dos Santos, Ed. Forense, pg. 491/492)

Igualmente, é o entendimento emanado pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, cujo acórdão tem a seguinte ementa:

"Estabelecido o liame causal entre a falta administrativa, e o prejuízo superveniente, sem culpa ou dolo da vítima, cabe à administração indenizar o lesado." (Ac. 18.375, Rel. Des. Almeida Camargo; in RT 484/68)

A responsabilidade civil do Município perante os particulares, em tais hipóteses, é integral e não parcial, ainda que outros fatores atribuíveis a terceiros, ou decorrentes, de caso fortuito, concorra para o evento danoso.

Como se vê, tanto a doutrina como a jurisprudência dominantes nos Tribunais já assentaram que o Município deve responder pelos danos sofridos pelos particulares, em razão do mau funcionamento das atividades públicas.

Não há que se cogitar da situação do imóvel em que residam os autores, em relação às condições de sua construção, posto que é certo que, antes do novo nivelamento (aterro), não havia a invasão de águas pluviais, nem se achava o imóvel num plano inferior ao da rua, como agora ocorre.

Foi, sem dúvida, a depressão do aterro e a falta de manutenção das galerias que geraram todos os prejuízos de que se queixam os autores e que foram comprovados pela perícia judicial.

Dessa forma, face a conclusão do laudo pericial e mais, pelas provas documentais carreadas aos autos da medida de produção antecipada de provas, a legitimidade dos requerentes para pleitear a indenização pelos danos sofridos mostra-se induvidosa, acrescida das despesas e custas processuais dispendidas no procedimento referido.

DOS PEDIDOS

Ante o exposto, com esteio nos artigos 282 e seguintes do Código de Processo Civil, combinados com os artigos 43 e 186 do Código Civil, bem como em outros dispositivos legais aplicáveis à espécie, requer a Vossa Excelência se digne mandar citar o Município, na pessoa de seu representante legal, para responder aos termos da presente ação e, querendo, oferecer contestação no prazo legal, pena de revelia.

Contestada ou não, requer-se a esse eminente magistrado que haja por bem em julgá-la procedente, com o fim de condenar o requerido ao ressarcimento dos danos materiais, traduzidos na indenização dos bens relacionados e descritos conforme relatório que segue anexo, cuja indenização pede-se por apuração de liquidação.

Pede-se ainda, a condenação ao pagamento de R$ ...., à título de honorários do Sr. Perito e R$ ...., referente à custas do autos nº ...., de Medida Cautelar de Produção Antecipada de Provas mais as do presente procedimento.

Requer a produção das provas seguintes: depoimento pessoal do representante legal do Requerido, sob pena de confesso e inquirição de testemunhas.

Dá-se à causa o valor de R$ ......

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Pedido de julgamento do processo
Pedido de devolução de prazo recursal, uma vez que os autos foram retirados de cartório e logo ap
Ação de busca e apreensão em razão de inadimplemento do contrato
Contestação à ação de indenização por inscrição do nome do autor em cadastro de inadimplentes
Ação de concordância de cálculo e pedido de expedição de precatório
Consetimento dos pais
Recurso de apelação da empresa ré em ação de indenização
Pedido de reconhecimento de nulidade de doação, ante à falta de reserva de bens para o sustento d
Chamamento ao processo em face de fiador do réu
Interpelação judicial contra a Câmara Municipal, para conhecimento dos motivos da dispensa dos se
Manifestação acerca de documentos juntados aos autos pela parte contrária
Embargos à execução promovida em face de contrato de locação