Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Finanças pessoais - Recessões - Saiba tudo sobre elas 

Data: 26/06/2007

 
 

Introdução


Na Grande Depressão das décadas de 1930 e 1940, os trabalhadores demitidos formavam filas diárias nas agências de emprego
 

No dia 26 de novembro de 2001, a mídia noticiou que os Estados Unidos estavam oficialmente em uma recessão, que, na verdade, já vinha ocorrendo desde março. Para a maioria dos americanos, isto não foi uma grande surpresa: o aumento do desemprego e um mercado de ações fraco eram noticiados há meses.

Mas o anúncio fez surgir muitas perguntas. Quem decide quando a economia está em recessão e quais são os critérios? O que, de fato, constitui uma recessão?

Neste artigo, descobriremos o que são as recessões, por que elas ocorrem e examinaremos os critérios que os economistas usam para identificá-las. Também veremos os efeitos da recessão e como um país pode fazer a economia girar novamente.

Recessão no Brasil

 O Brasil passou por vários ciclos de recessão. Um dos maiores e mais longos períodos aconteceu nos anos 80 em plena transição democrática, quando o País saía de uma ditadura de 20 anos. Durante o governo do presidente José Sarney, houve vários meses de inflação alta e, depois, de hiperinflação. No primeiro ano do governo (março de 1985 a março de 1986), a inflação foi de 225,16%. No final do governo, o quadro era bem pior. De fevereiro de 1989 a fevereiro de 1990, a inflação chegou a 2.751%, ou seja, o preço dos produtos aumentava todo dia. Nesse período, o Brasil teve três moedas diferentes: cruzeiro (Cr$), cruzado (Cz$) e cruzado novo (NCz$). A cada nova denominação que surgia, três zeros eram cortados. Assim, Cz$ 1.000,00 virava NCz$ 1,00. Essas novas moedas foram frutos de quatro planos econômicos que tentavam frear a recessão: Cruzado, Cruzado II, Bresser e Verão. Em todos eles, o principal objetivo era diminuir a inflação e valorizar a moeda nacional. Em algumas ocasiões, houve congelamento de preços que quando acabava, impulssionava um novo aumento de inflação.. Com a entrada do presidente Fernando Collor de Mello, veio mais um plano, houve o confisco da poupança dos cidadãos para que fosse possível diminuir a quantidade de dinheiro em circulação. A medida acabou agravando a recessão com empresas sem poder cumprir, por exemplo, a folha de pagamento dos funcionários. O cenário só foi melhorar cerca de dois anos depois, após a queda de Collor e com o início do Plano Real, já no governo Itamar Franco.

O dinheiro movimenta o mundo

Uma recessão é um período de tempo prolongado em que a economia de um páís está decrescendo ou retraindo. Este movimento é caracterizado por inúmeras e diferentes tendências, incluindo:
  • as pessoas compram menos
  • a produção industrial diminui
  • o desemprego aumenta
  • a receita pessoal cai 
  • o mercado de ações enfraquece 

Segundo a definição convencional, esta retração econômica deve continuar por pelo menos seis meses para ser considerada uma recessão.

Esta definição realmente gera mais dúvidas do que respostas. O que significa retração para a economia? Como todos estes fatores estão relacionados? E o que é exatamente "a economia"?

As pessoas falam sobre a economia dos países como uma realidade independente, mas, na verdade, ela é o resultado das ações de milhões de pessoas. Os economistas usam todos os tipos de termos obscuros para descrever a conexão entre as ações das pessoas e a economia como um todo. Mas você pode compreender a idéia básica desta conexão olhando alguns conceitos básicos: produtores, consumidores, mercados, oferta e demanda.

Produtores e consumidores

Falando de modo geral, a economia de um país é a produção e o consumo de bens (alimentos, roupas, carros) e serviços (consertos, cortes de grama, cabeleireiros) desse país. Qualquer pessoa que produza ou consuma coisas em um país, ou seja, todo mundo desempenha um papel na economia.

A produção e o consumo estão interligados. Para que as pessoas consumam coisas, alguém tem que produzir mais. Para produzir as coisas, você precisa consumir coisas (precisa consumir recursos naturais e o trabalho das pessoas, por exemplo).

Mercados

Em uma economia de mercado como a norte-americana, a produção e o consumo são ligados a vários "mercados". Um mercado é simplesmente um local onde os consumidores podem ir para comprar coisas que os produtores estão vendendo.

Uma mercearia é um exemplo de um mercado físico. As pessoas que desejam consumir alimentos vão à mercearia e compram os alimentos de produtores que passaram por uma série de intermediários. A própria mercearia é um dos intermediários e geralmente há outras ao longo do caminho (companhias de distribuição, por exemplo). O mercado de trabalho é mais abstrato: as empresas pagam aos trabalhadores por suas produções, sua força-de-trabalho. Já no mercado de ações, os consumidores e os produtores compram e vendem porcentagens de posse das companhias (veja Como funcionam as ações e o mercado acionário para mais informações).

Como você pode ver, quase todo mundo é tanto produtor quanto consumidor, ou seja, age em mais de um mercado. Se tem um emprego, você é um produtor de trabalho e quando vai ao shopping, você é um consumidor de bens.

Oferta e demanda

O objetivo máximo dos produtores é ganhar dinheiro, ou seja, lucro: obter mais dinheiro do que gastam para produzir o produto. Os consumidores podem querer comprar produtos para satisfazer seus desejos e necessidades ou para lucrar revendendo ou usando os produtos para produzir outros produtos. Em qualquer um dos casos, os consumidores geralmente querem pagar o mínimo por bens e serviços.

Em um mercado, as ações dos produtores e consumidores determinam o valor de bens e serviços. Os produtores são, de fato, os únicos que definem os preços, mas eles o fazem com base no comportamento dos consumidores. Se ninguém comprar um produto a um determinado preço, o produtor sabe que o preço está muito alto. Se alguns consumidores comprarem, mas não o suficiente para toda a produção, os produtores devem diminuir o preço ou diminuir a oferta. A boa vontade dos consumidores em pagar pelos produtos é conhecida como demanda. Mesmo se houver uma alta demanda constante para um produto (papel higiênico, por exemplo), produtores individuais precisam manter o preço baixo ou os consumidores comprarão de um concorrente.

Nas próximas seções veremos como todos estes fatores funcionam em uma economia em expansão e em uma economia contraída.

O que sobe...

Em uma economia em expansão, a demanda do consumidor, em geral, aumenta. Como existe o aumento da demanda, os produtores querem aumentar a oferta. Para tanto, os produtores têm de aumentar o consumo de outros bens ou serviços, incluindo mão-de-obra. Isto significa que existe uma demanda maior de mão-de-obra e que a oferta, de modo geral, pode aumentar o preço dos seus produtos (em outras palavras, as pessoas podem receber mais pelo seu trabalho).

Pessoas com renda mais alta têm mais dinheiro para gastar com outros produtos, o que faz crescer ainda mais a demanda. Se a demanda for alta o suficiente, o preço de alguns produtos sobe. Por exemplo, se há mais passageiros que assentos nos aviões, as linhas aéreas podem aumentar seus preços para diminuir a demanda (isso pode levar a uma alta inflação se acontecer em todas as empresas, mas na década passada a economia norte-americana mostrou sua capacidade de crescimento constante mantendo a inflação sob controle). Em uma economia em expansão, alguns consumidores e produtores não serão bem sucedidos, mas a maioria será, o que cria a sensação geral de que a economia está bem.


 

No caso da economia, muitos consumidores tendem a fazer investimentos: compram coisas como ações de uma empresa, que planejam vender no futuro. Eles sabem que se a economia se mantiver em crescimento, seus investimentos aumentarão em valor. Estes consumidores calculam que ganharão dinheiro apenas mantendo o investimento por um tempo.

A história já provou que uma economia não se mantém em expansão eternamente. Eventualmente, ela se retrairá por um tempo. Um período prolongado de contração é conhecido como recessão. Se a recessão durar muito e for particularmente grave, ela é conhecida como depressão. Na próxima seção, vamos descobrir o que acontece com este tipo de economia.

... deve descer

Economistas dizem que a economia dos EUA estava se expandindo constantemente desde o início de 1991 até o início de 2001. Então, por que ela parou de se expandir? Por que ela não consegue manter um crescimento espiral para sempre?

Existem vários fatores que podem mudar o curso da economia, assim como existem outras que podem mudar a demanda de um produto em particular. Em alguns casos, a recessão pode ser causada por superprodução: uma situação na qual a oferta excede a capacidade de consumo da nação.

Geralmente um fator que tem papel importante em uma recessão, seja ou não a sua causa, é o nível de confiança dos milhões de consumidores e produtores. Se os consumidores não sentirem mais confiança na segurança do seu trabalho ou no valor dos seus investimentos, eles não comprarão tanto. Na recessão, muitas pessoas que foram despedidas gastam o mínimo possível e muitas pessoas que temem ser demitidas, economizam.

 


 

Assim como ocorre em uma economia em expansão, as coisas tendem a virar uma bola de neve em uma economia retraída. Há milhares de elementos diferentes nessa espiral decrescente e é possível observar o efeito bola de neve em inúmeras situações específicas. Na próxima seção, examinaremos os efeitos do atentado terrorista de 11 de setembro na economia.

Pós 11 de setembro

Vamos analisar o que aconteceu com a indústria de viagens depois dos ataques terroristas de 11 de setembro.
  • Os seqüestradores dos aviões abalaram a confiança de muitas pessoas nas viagens aéreas. As pessoas também tornaram-se extremamente receosas de estar em áreas com grande concentração de pessoas, incluindo grandes cidades, parques temáticos e outros destinos turísticos populares.
  • Um enorme número de viajantes cancelou imediatamente seus vôos e outros decidiram não fazer nenhuma viagem longa. Em outras palavras, a demanda para a viagem aérea despencou. A demanda por quartos de hotel, agentes de viagem e dezenas de outros serviços relacionados às viagens também encolheram consideravelmente da noite para o dia.
  • Os produtores de serviços de viagem se depararam com uma oferta que excedia demasiadamente a demanda. A indústria das linhas aéreas, por exemplo, também teve de enfrentar inúmeras poltronas vazias em seus vôos. Para lidar com esta mudança de rumo, as empresas de viagem tiveram de reduzir os preços e a oferta de seus produtos. Na indústria das linhas aéreas, isto significou reduzir os preços das passagens e diminuir o número de vôos.
  • A redução de oferta e preço significou que as empresas de viagens não precisavam mais de tanto trabalho. Conseqüentemente, tiveram de demitir muitos de seus funcionários.
  • Com uma receita muito menor, os trabalhadores das companhias aéreas tiveram de reduzir seus gastos. Isto reduziu a demanda por outros produtos, o que contribuiu para cortes de pessoal em outras indústrias e causou espirais similares.
  • Os funcionários que não foram demitidos ficaram com medo da demissão e também diminuíram seus gastos.
  • As empresas de viagem reduziram a demanda para os produtos que eles precisavam. Na indústria das linhas aéreas, por exemplo, houve redução de demanda para refeições de vôo, equipamento de aeronave, hospedagem e viagens para as suas tripulações. Desta maneira, a contração da indústria das linhas aéreas afetou inúmeras outras indústrias.
  • Tudo isso foi exibido nos noticiários, abalando a confiança de milhões de trabalhadores que não tinham nada a ver com a indústria das linhas aéreas. Eles viram as dificuldades das empresas de linhas áreas como evidência de que a economia estava decaindo de modo geral. Com medo de perder seus empregos no futuro próximo, eles também cortaram despesas, reduzindo ainda mais a demanda de centenas de mercados.

Em uma economia saudável, problemas com a indústria de linhas aéreas provavelmente não afetaria tantas companhias e trabalhadores e a maioria afetada poderia se deslocar para outras indústrias. Mas com problemas similares o suficiente em diferentes mercados, estes trabalhadores se sentiram como se não tivessem mais para onde ir.

Quando produtores e consumidores vêem coisas negativas acontecendo em diversas indústrias, eles acreditam que as coisas vão piorar em outras indústrias no futuro imediato, param de consumir e produzir tanto, o que faz as coisas piorarem em uma escala maior ainda. Em uma economia retraída, assim como em uma aconomia em expansão, todos tentam adivinhar o que os outros vão fazer.

Diferentes setores da economia estão se contraindo todo o tempo e a economia como um todo também pode se contrair periodicamente. Mas os economistas somente declaram uma recessão quando a economia está se contraindo como um todo por um período de tempo prolongado. Na próxima seção, veremos como os economistas determinam isto.

Identificando uma recessão

Nos Estados Unidos, a economia segue um padrão mais ou menos regular de expansão e retração. A economia geralmente se expande regularmente por 6 a 10 anos e depois entra em uma recessão por seis meses a dois anos. O ponto onde a recessão começa é conhecido como pico e onde acaba é conhecida como vale. Depois do vale, a economia se expande novamente rumo a outro pico. Economistas chamam o período de tempo entre dois picos de um ciclo econômico.

Quando a nação está na parte inicial de uma recessão, ninguém sabe ao certo se ela é realmente uma recessão ou não. A economia pode mudar no dia seguinte, o que significaria que a contração foi apenas um declínio temporário na atividade ao longo de uma trajetória basicamente ascendente. Os economistas não sabem se a economia está em recessão até que possam coletar dados durante um período de tempo prolongado (geralmente seis meses ou mais).

Não existe uma definição exata para recessão. Muitas pessoas consideram diferentes fatores quando fazem a avaliação.

Alguns economistas e jornalistas definem uma recessão como dois trimestres (períodos financeiros de três meses durante o ano) consecutivos nos quais o Produto Interno Bruto - PIB cai. O PIB é o valor de todos os bens e serviços produzidos e declarados pelas pessoas e instituições ativas do país. Uma diminuição geral no valor de bens e serviços indica que a demanda decresceu na maioria dos mercados. Se este for o caso, as empresas demitem seus funcionários e o desemprego começa a aumentar. Geralmente o mercado de ações também está ruim quando o valor geral está caindo. Em geral, o PIB é um indicador muito bom do estado geral da economia.

Mas os economistas que oficialmente determinaram uma recessão nos Estados Unidos não confiaram apenas no PIB. Por um acordo geral, a determinação oficial da recessão é deixada a cargo do Business Cycle Dating Committe e do National Bureau of Economic Research (NBER). O NBER não é uma agência do governo, é uma organização particular que trabalha para compreender melhor a economia. A organização apartidária e sem fins lucrativos emprega centenas de especialistas em economia (a maioria deles professores universitários) para analisar e relatar sobre a economia dos Estados Unidos.

Entre outras coisas, os economistas da NBER controlam os ciclos econômicos do país: os cursos de expansão e contração na economia. O Business Cycle Dating Committee decide se a economia está ou não em recessão com base em vários indicadores mensais. O GDP não é o fato mais importante para os economistas da NBER. Eles consideram mais a receita pessoal, o índice de emprego nacional, as vendas em indústria e comércio, e a produção industrial.

Como não é saudável para um país estar em recessão, geralmente os governos tomam atitudes para expandir a economia novamente. Na próxima seção, veremos os "remédios" comuns usados pelo governo dos Estados Unidos em períodos de recessão.

O remédio é caseiro

Basicamente, os Estados Unidos são uma economia de mercado. Em uma economia de mercado, normalmente os produtores são livres para cobrar o que quiserem por bens e serviços, e os consumidores são livres para comprar ou não, bens e serviços. As forças de oferta, demanda e concorrência determinam o comportamento da economia.

O melhor deste sistema é que ele fornece aos consumidores e produtores um alto nível de liberdade. Mas a liberdade tem um preço: ela coloca a economia além do controle de qualquer entidade única. Em outras palavras, o governo não pode automaticamente definir as coisas quando elas não estão indo bem. Somente a ação de milhões de consumidores e produtores podem fazer a economia girar.

Mas o governo dos Estados Unidos tem algumas maneiras de influenciar as ações dos consumidores e produtores. Existem dois tipos de políticas que o governo pode instituir para tirar o país da recessão: políticas fiscais e políticas monetárias.

Política fiscal

Com as políticas fiscais, o governo influencia a economia mudando a maneira que o governo gasta e coleta dinheiro.

As ações de política fiscal mais comuns em uma recessão são:

  • corte fiscal para negócios e indivíduos. Isto dá às pessoas e corporações mais dinheiro, o que as motiva a comprar coisas e, assim, aumentar a demanda;
  • gastos aumentados para estabelecer novos empregos no governo. Isto aumenta a demanda por trabalho, o que pode diminuir a taxa de desemprego;
  • políticas fiscais automáticas, que agem imediatamente. Uma das políticas fiscais automáticas mais importantes é o seguro-desemprego. Este sistema fornece uma receita para as pessoas que estão sem emprego.
As políticas fiscais são ditadas pelo congresso e pelo presidente.

Política monetária

A política monetária envolve a manipulação da oferta de dinheiro disponível no país. Nos Estados Unidos, a política monetária é conduzida pelo Federal Reserve, chamado de Fed O Fed é o banco central norte-americano. Ele é o banco do próprio governo e também o banco dos bancos comerciais nacionais. O Fed também é responsável por emitir moeda corrente e é o principal órgão regulamentador que supervisiona as operações bancárias.

O Fed obriga que todos os bancos nacionais mantenham uma determinada porcentagem de seus ativos em um dos bancos do Federal Reserve, onde esses ativos não rendem juro algum. Este dinheiro é conhecido como reservas e a porcentagem definida é chamada de taxa de reserva.

Como os ativos de um banco flutuam constantemente, eles precisam ajustar rapidamente suas reservas em uma base regular. Os bancos não podem manter suas reservas muito baixas, mas eles não desejam ter um excesso em reservas, afinal, este dinheiro não está rendendo juro algum. Para manter as coisas equilibradas, um banco que, de repente, fica com poucas reservas pode obter um empréstimo imediato a curto prazo de um banco que tenha um excesso. Os bancos que emprestam cobram juros sobre estes empréstimos, de acordo com uma taxa definida chamada de taxa de fundos federal. Para mais informações, leia Como funciona o Federal Reserve.

O Fed tem várias ferramentas à disposição para manipular a economia. Existem quatro coisas importantes que o Fed pode fazer para refrear uma recessão:

  • reduzir a taxa de reserva. Se os bancos não precisarem manter uma porcentagem alta de seus ativos em reservas, eles têm mais dinheiro acessível. Isto pode levá-los a oferecer empréstimos mais atrativos aos seus clientes, o que pode ajudar a reacender o crescimento econômico;
  • diminuir a taxa de fundos federal. Isto libera mais dinheiro para os bancos, permitindo-os oferecer empréstimos mais atrativos;
  • diminuir a taxa de desconto (a taxa sobre os empréstimos federais). Isto libera dinheiro para os bancos que estão tomando dinheiro emprestado do Fed. Novamente, essas economias podem ser repassadas aos clientes do banco;
  • usar seu próprio dinheiro de reserva para comprar títulos do governo. A compra de títulos se traduz em receita para o governo dos Estados Unidos, o que injeta mais dinheiro na economia.

O poder do Fed é uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo em que pode ser usado para impulsionar a economia para fora da recessão (ou influenciar seu curso), ele também pode piorar um pouco as coisas. O Fed deve ser extremamente cauteloso em suas ações para evitar uma catástrofe econômica.

No final, o curso da recessão de um país é controlada pelas ações de todas as pessoas que moram no país. Qualquer coisa influenciada por tantas pessoas está além do controle de uma pessoa ou grupo: ela parece ter vontade própria. Mas nos Estados Unidos, o tempo provou que atitudes e fatores econômicos mudam e toda recessão é temporária. Eventualmente, as coisas mudam de direção e uma espiral ascendente é restabelecida.

Para mais informações sobre as recessões, o Federal Reserve e o mundo da economia, veja os links na próxima página.



 
Referência: hsw.com.br (HowStuffWorks Brasil)
Autor: Tom Harris
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Ações / Bolsa de ValoresO valor da ação
LeisNovo Código Civil ? Lei nº 10.406 de 10/1/2002 (Parte Geral) »»» Livro II - Dos Bens »»» Título Único - Das Diferentes Classes de Bens
ConsumidorPolítica: Como exercer a cidadania pela Internet
Carro / VeículoVai financiar um carro? Cuidado com a taxa de abertura de crédito
Carreira / EmpregoExpectativa versus frustração: confira dicas para não se sentir na pior
Ações / Bolsa de ValoresSeu dinheiro: como negociar com ações on-line
Como agirDocumentos: Como não ser prejudicado em caso de perda
Investimentos / FundosSelic x investimentos: o que deve fazer quem está na renda fixa e na variável?
Ações / Bolsa de ValoresInteressado em investir em ações? Veja primeiro por onde começar
Negócios / EmpreendedorismoSeu cliente não te atende? descubra como recuperá-lo