Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Carreira / Emprego - Sentimento de solidão do poder 

Data: 04/05/2009

 
 

Despertei para este assunto quando certa vez o diretor-presidente de uma grande empresa me procurou no hotel onde estava hospedado e me convidou para um jantar. Mas, como não poderia, agradeci o convite. O referido diretor insistiu tanto que fui obrigado, ainda que constrangido, a desmarcar outro compromisso já assumido anteriormente.

Chamou-me a atenção, o fato de um dirigente naquela posição não ter alguém para acompanhá-lo ao jantar. De repente, vi-me diante de um exe¬cutivo alegre, pois acabara de realizar um vantajoso investimento e, ao mesmo tempo, frustrado por não ter com quem comemorar o sucesso no fechamento do negócio. Lembro-me que batemos um longo papo sobre a solidão.

A partir daquela noite, comecei a observar o mesmo fenômeno em presidentes, diretores e superintendentes de outras organizações. Passei a denominar esse fato como síndrome da solidão do poder. Desde então, fiquei sensível ao tema e passei a observar, atentamente, o problema da desumanização do poder.

Percebo que os profissionais no poder tendem a se isolar, pouco a pouco, perdendo o contato mais íntimo com as pessoas de sua lida diária. Esse isolamento, como os processos descritos acima, leva-as a sentimentos de solidão. Tenho discutido esse assunto com vários dirigentes empresariais e muitos se queixam desta dificuldade. Eles reclamam da falta de um diálogo mais pessoal em momentos de tensão e sentem um desgaste maior por esta falta de apoio afetivo-emocional.

De modo geral, a dinâmica das orga¬nizações vai, gradualmente, causando este sentimento nos dirigentes, que começam a se isolar: almoçar sozinhos; conversar pouco com as pessoas; e ter sempre um lugar separado dos demais membros da organização; entre outros.

As pessoas passam a ter um relacio¬namento cada vez mais formal com estes executivos. Passam a dizer apenas aquilo que eles querem ouvir, não falam de seus sentimen¬tos pessoais, fazem elogios aos diretores e evitam fazer críticas ou sugestões que possam pro¬vocar reações negativas. Muitas pessoas evitam, fora da rotina diária, aproximar-se deles, pois temem serem vistas como bajuladoras e pro¬curam não ter qualquer aproximação que não tenha restrita relação com o trabalho.

Conversando com dirigentes, constatei que uma série de problemas humanos não encontra espaço para ser comentada no dia-a-dia: dificuldades nas relações conjugais e familiares, afetivas e sexuais. Disfunções emocionais, como medos, angústias e dificuldades na definição de projetos existenciais são assuntos que encontram pouca ressonância entre os pares nas relações de poder. Quando esses assuntos são tratados, os interlocutores procuram não emitir opiniões e pouco ou nenhum feedback é dado aos executivos. Parece que as pessoas em posições hierárquicas mais elevadas não têm o direito de ter problemas.

Muitas vezes, convido ou sou convidado por diretores para almoço de negócios e a conversa se transforma em confidências, desabafos e em troca de opiniões sobre esses assuntos reprimidos. Nesses momentos, sempre tenho surpresas bastante agradáveis: descubro artistas com as mais variadas vocações; avós carinhosos; jardineiros; mestres-cucas; pessoas habilidosas em trabalhos manuais; enfim, indicadores de uma série de sensibilidades desconhecidas. No entanto, essas pessoas são tidas, no cotidiano, como frias, tiranas, distantes, "estopins curtos", entre outros.

Estou convicto de que grandes dirigentes são pessoas sensíveis e versáteis, mas que, muitas vezes, são vistos apenas pelo ângulo profissional e, com o tempo, perdem a sensibilidade no relacionamento e se distanciam no trato diário com seus subordinados.

São necessários muitos aborrecimentos, acidentes de trânsito ou uma doença grave para se conscientizarem da importância das pessoas em nosso dia-a-dia. Em várias oportunidades, constatei o quanto uma tragédia é necessária para terem a noção da pouca atenção dedicada às pessoas que cercam alguns executivos. Em certa ocasião, vi um dirigente emocionado falar com seu sócio do assunto mencionado: "Compadre, vamos precisar de uma doença para nos lembrar o quanto fomos e ainda somos amigos?".

Sempre sugiro aos órgãos de RH criarem instantes que permitam encontros informais dos diretores com suas equipes, procurando superar essas dificuldades inerentes ao exercício do poder. Gosto de falar que chefe também é gente e também precisa de instantes de intimidade.



 
Referência: RH.com.br
Autor: Jerônimo Mendes
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Finanças pessoaisFim de ano: hora de acertar as contas!
FilhosCompra de material escolar é bom momento de educação financeira para as crianças
FilhosForma como os pais encaram o dinheiro faz toda a diferença na educação
Cartão de créditoUse o seu cartão de crédito como gerenciador de despesas
Carreira / EmpregoExecutivo: saiba como se dá o processo de inovação nas empresas
Carreira / EmpregoA importância das decisões
UtilidadesImplantação de semáforos
LeisCódigo Penal ? Parte Especial »»» Título I - Dos crimes contra a pessoa »»» Capítulo I - Dos crimes contra a vida
Modelos de documentosContrato - Permuta de Partes Ideais de Terreno por Unidades especificadas com Confissão de Dívida
Carreira / EmpregoDemissão: será que seu ritmo de trabalho condizia com o da empresa?