Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Assuntos

Total de artigos: 11132
    

 

 

Carreira / Emprego - O que pensam os profissionais de RH sobre a contratação de deficientes 

Data: 17/09/2007

 
 

O deficiente brasileiro e o mercado de trabalho. Durante duas semanas este foi o tema escolhido para ser abordado pela equipe do RH.COM.BR. Veiculamos matérias sobre o trabalho desenvolvido por entidades que localizam oportunidades de empregos e habilitam profissionais portadores de deficiências. Relatamos, ainda, casos de empresas que contratam deficiente físicos e que com vontade e bom planejamento conseguem vencer obstáculos e preconceitos.

O tema também serviu de base para nossa pesquisa virtual. Selecionamos algumas respostas que recebemos de profissionais que trabalham em Recursos Humanos. Uns comentaram experiências vividas com deficientes, outros mostraram uma visão crítica e amadurecida.

- Penso que o mercado de trabalho deve estar bem atento a esse potencial humano, muitas vezes desperdiçado por puro preconceito. Um processo de seleção bem feito não pode deixar de incluir o deficiente físico em muitas das posições de trabalho disponíveis. A seleção, justamente, o habilitará ou não. As condições pessoais e profissionais é que são importantes para o desempenho da função, no contexto específico, comenta Beatriz Magadan, diretora da DRH Consultoria.

Para João Henrique, administrador de empresas com pós-graduação em consultoria de RH, um trabalhador por ser portador de alguma deficiência, não deve ser discriminado e receber um rótulo de incapaz. “Na realidade, o deficiente físico possui apenas uma inaptidão para certas atividades devido a algumas limitações, enquanto que outras pessoas as têm por questões culturais e técnicas”, destaca. Ele lembra, ainda, que os seres humanos, uns em maior, outros em menor grau, possuem dificuldades em lidar com o diferente, com o que não se enquadra aos padrões de normalidade. Daí surge o preconceito que isola e condena as pessoas.

Com a experiência de trabalhar no setor de RH, em uma empresa de supermercados que emprega cerca de 50 deficientes auditivos, Wanusa Centurión , afirma: “Sou a favor da contratação de deficientes, primeiro porque eles têm poucas chances no mercado e quando conseguem uma oportunidade são bastante dedicados ao que fazem. Demonstram entusiasmo e comprometimento com a empresa. Segundo, porque estaríamos dando oportunidade de trabalho àqueles excluídos da sociedade e do mercado, valorizando o aspecto humano/social e contribuindo com a diminuição do emprego.

Por outro lado, Wanusa também chama a atenção para um detalhe importante. Para ela, às vezes, é difícil conviver com alguns deficientes devido a revolta e ao auto preconceito. “Existem aqueles que de certa forma, por serem deficientes, querem sempre levar vantagem em cima de outras pessoas. Estão sempre como vítimas. Essa é uma questão real que deve ser considerada e estudada com o propósito de um trabalho eficaz. Por isso, é importante a ajuda e a colaboração de pessoas ligadas a entidades/instituições que são especialistas em lidar com deficientes”, conclui.



 
Referência: rh.com.br
Autor: Patrícia Bispo
Aprenda mais !!!
Abaixo colocamos mais algumas dicas :

Assunto:Perguntas:
Carreira / EmpregoSua empresa faliu? Saiba como voltar para o mercado de trabalho
AposentadoriaPrevidência Privada : Quando solicito uma portabilidade de uma instituição para outra, é cobrado Imposto de Renda?
Cartão de créditoFormas de pagamento de seu cartão de crédito
Carreira / EmpregoComo desenvolver sua Inteligência Emocional
Negócios / EmpreendedorismoComo empreender sem dinheiro
Defenda-seFraudes: Informações pessoais usadas para esvaziar as contas bancárias
Carro / VeículoPneus do carro sem a pressão correta aumentam gastos com combustível
Carreira / EmpregoA incompetência das lideranças
Finanças pessoaisAs Mulheres e as Finanças Pessoais
Salário e negociação na carreiraVai trabalhar de graça? Analise seus objetivos antes de responder sim!