Clique aqui para ir para a página inicial
 

Pular Links de Navegação
»
Home
Contato
Calculadoras
Consultoria
Conteúdo
Cotações
Perfil/Testes
Serviços
Parceiros
Mapa site
[HyperLink1]
Cadastrar
 
    
Você está em:   IGF Modelos de documentos Petição Civil e processo civil Interposição de agravo de instrumento, ante decisão do juiz acerca da necessidade de averbação do imóvel usucapiendo na partilha proferida nos autos do divórcio

Petição - Civil e processo civil - Interposição de agravo de instrumento, ante decisão do juiz acerca da necessidade de averbação do imóvel usucapiendo na partilha proferida nos autos do divórcio


 Total de: 15.244 modelos.

 
Interposição de agravo de instrumento, ante decisão do juiz acerca da necessidade de averbação do imóvel usucapiendo na partilha proferida nos autos do divórcio.

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO .......

....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., por intermédio de seu (sua) advogado(a) e bastante procurador(a) (procuração em anexo - doc. 01), com escritório profissional sito à Rua ....., nº ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., onde recebe notificações e intimações, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência propor

AGRAVO DE INSTRUMENTO

da decisão do Exmo. Sr. Dr. ...., DD. Juiz de Direito em exercício na ....ª Vara Cível da Comarca de ...., que julgou pela necessidade de averbação do imóvel usucapiendo em processo de divórcio, nos autos ..... em que litiga com....., brasileiro (a), (estado civil), profissional da área de ....., portador (a) do CIRG n.º ..... e do CPF n.º ....., residente e domiciliado (a) na Rua ....., n.º ....., Bairro ....., Cidade ....., Estado ....., o que faz pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

Crucial salientar, que não foi mencionado o nome e o endereço completo do Advogado do Agravado, nem juntada cópia da Procuração outorgada àquele, posto que a decisão ora agravada foi proferida antes de ser realizada sua citação por edital, logo não há Advogado constituído nos Autos para promover a defesa daquele.

Requer, ainda, com fulcro nos arts. 558, "caput", e 527, II, ambos do Código de Processo Civil, seja concedido efeito suspensivo ao cumprimento da decisão agravada, até pronunciamento definitivo deste Egrégio Tribunal, face os relevantes motivos lastreados nas razões em apartado.

Seguem anexo, as seguintes peças para intruir o presente Agravo de Instrumento:

- cópia da decisão agravada (fls. ....);

- cópia da certidão da respectiva intimação;

- cópia da procuração outorgada ao Advogado do Agravante;

- cópia do substabelecimento à Advogada do Agravante;

- cópia da manifestação do Ilustre Representante do Ministério Público às fls. ....;

- cópia da manifestação do Ilustre Representante do Ministério Público às fls. ....;

- cópia da Certidão do Registro de Imóveis da ....ª Circunscrição desta Capital, atestando que a COHAB ainda é titular do domínio do imóvel objeto da transcrição nº ....;

- cópia da manifestação do Ilustre Representante do Ministério Público às fls. ....;

- cópia da petição inicial;

- cópia do contrato de compra e venda firmado entre a Agravante e a COHAB;

- cópia da partilha efetuada entre as partes ora litigantes, em Ação de divórcio, Autos nº ...., .... Vara de Família desta Comarca;

- cópia da Sentença homologatória da partilha efetuada no divórcio;

- comprovante do preparo das custas do presente Agravo de Instrumento.

Insígnes Magistrados
Preclaros Julgadores

DOS FATOS

Em que pese a idoneidade e o elevado saber jurídico do Juízo "a quo", está a decisão de fls. ...., dos autos em epígrafe, por merecer reforma, senão vejamos:

A agravante ingressou com a demanda de Usucapião Especial de imóvel urbano em face do Agravado, sendo a área usucapienda correspondente à meação de 50% (cinqüenta por cento) daquele, sobre um imóvel residencial adquirido diretamente da COHAB, mediante Compromisso de compra e venda, sito na ...., objeto da partilha homologada por ocasião do divórcio entre as partes ora litigantes.

Faz-se necessário informar que o divórcio foi requerido pela ora Agravante em data de ...., sendo que o Agravado foi revel. Além do que, a Agravante sempre pagou sozinha todas as prestações do referido compromisso de compra e venda, junto à COHAB, obtendo quitação em ....

Ocorre, que a Agravante reside no imóvel objeto de litígio há mais de 15 (vinte) anos, devidamente comprovados, sendo que o Agravado abandonou o imóvel e a família por todo esse período declinado.

A Sentença homologatória da partilha no divórcio foi prolatada em data de ...., portanto, há aproximadamente .... anos, sem que tenha havido qualquer oposição por parte do Agravado, ou interrupção na posse do imóvel exercida pela Agravante.

Atendidos, desta forma, os requisitos do usucapião especial, previsto na Carta Magna, no art. 182.

Mister mencionar que por falta de recursos financeiros da ora Agravante, não houve averbação da sentença homologatória da partilha na Ação de Divórcio acima relacionada, junto à Circunscrição de Registro de Imóveis, onde está registrado o imóvel, cuja meação do Agravado corresponde à área usucapienda.

Não obstante, entende a ora Agravante ser desnecessária tal averbação, posto que trata-se de usucapião, ou seja, uma forma de aquisição originária da propriedade. Há a aplicação, no caso em apreço, da prescrição aquisitiva.

Dessarte, o Digno Representante do Ministério Público, às fls. .... dos Autos em epígrafe, emitiu parecer no seguinte sentido:

"O compromisso firmado pela requerente com a COHAB, devidamente averbado, conforme se vê às fls. .... dos autos, a qualifica como casada.
Posteriormente, o casamento da requerente foi desfeito, fazendo a partilha dos direitos sobre o imóvel que ela pretende usucapir, à razão de 50% para a requerente e 50% para seu marido.
Assim, entendo imprescindível a averbação da partilha realizada, para que a requerente venha a adquirir o domínio sobre a metade do imóvel que pertence a seu marido, razão pela qual insisto no cumprimento da cota ministerial de fls. ...."
A decisão ora Agravada tem o seguinte teor: "Intime-se a requerente para fins de dar atendimento à promoção de fls. .... do Ministério Público."

"Data venia", a Agravante discorda do parecer Ministerial, bem como da decisão que determinou o cumprimento deste, pelas razões abaixo expendidas.

O atendimento da promoção Ministerial implica na averbação na ....ª Circunscrição Imobiliária desta Capital, junto à Transcrição nº ...., Livro ...., da partilha homologada na Ação de divórcio referida, o que, por conseguinte, implicará no registro do compromisso de compra e venda.

Conforme já mencionado, a Agravante não tem condições financeiras para arcar com esse ônus, além do que entendemos ser desnecessária e improcedente tal exigência, uma vez que o usucapião é uma forma de aquisição originária da propriedade e com a obtenção êxito na presente demanda, a Agravante terá novamente que arcar com as custas de averbação da sentença que declarar o usucapião.

É patente, que preenchidos os pressupostos legais, o que parece-nos terem restado demonstrados com a peça inicial, o usucapião constitui forma originária de aquisição do domínio, conforme jurisprudência consolidada na máxima Instância Judiciária, não tipificando fato gerador do imposto de transmissão.

Em mantendo-se a decisão "a quo", incorrerá em uma medida insofismável, ferindo-se uma norma insculpida na Constituição Federal, vez que a busca do domínio via prescrição aquisitiva, como realidade nova que rompe a anterior, constitui o próprio fundamento da Ação de usucapião.

Ademais, agindo, desta forma, estar-se-á mitigando a própria eficácia da Ação de usucapião.

DO DIREITO

Portanto, entende a Agravante que à vista dos fatos e da eficácia a ser alcançada pela sentença no processo de usucapião, o registro e averbação da sentença que homologou a partilha no divórcio, na transcrição imobiliária, restariam inócuos, além de representar-lhe ônus financeiro.

A Doutrina tem se firmado em total consonância com as alegações acima expostas, quanto a ser o usucapião uma forma de aquisição originária da propriedade, a saber:

"A aquisição da propriedade imobiliária ou mesmo mobiliária se dá quando consumada a prescrição aquisitiva ou usucapião. Logo, o usucapião é um modo de aquisição, muito embora para que se chegue a consumar exija uma paulatina e progressiva verificação de diversos pressupostos.
Esse modo de aquisição é um modo originário.
(...)
A usucapião se consuma com a posse continuada e esse fato, aliado aos demais pressupostos legais, acabam por constituir um direito real novo. Esse é o fulcro da questão: a aquisição do direito real. Se eventualmente sobre tal direito repousa antigo titular, a perda de seu direito é a consequência da aquisição pelo prescribente." (FACHIN, Luiz Edson - A função social da posse e a propriedade contemporânea (uma perspectiva da usucapião imobiliária rural), Porto Alegre, Fabris, 1988, p. 40 usque 42).

Ademais, é pacífico o entendimento da não incidência de imposto de transmissão no usucapião, a saber:

"O art. 945 do CPC dispõe que a sentença que julgar procedente a ação, será transcrita, mediante mandado, no registro de imóveis, satisfeitas as obrigações fiscais. Surge aí a questão da incidência ou não do imposto sobre a transmissão de bens imóveis e de direito a eles relativos.
Essa questão já foi examinada diante do dispositivo legal estadual que determina a cobrança desse imposto por ocasião da aquisição da propriedade imobiliária, através da usucapião, concluindo-se tanto pela inconstitucionalidade da lei quanto pela improcedência da cobrança do título. Concluiu-se, com razão, de que a usucapião constitui-se em modo originário de aquisição, não ocorrendo qualquer transmissão, e em não havendo transmissão não há obrigação fiscal." (FACHIN, Luiz Edson - A função social da posse e a propriedade contemporânea (uma perspectiva da usucapião imobiliária rural), Porto Alegre, Fabris, 1988, p. 84 usque 85).

A jurisprudência tem sido uníssona nesse sentido:

"Modo originário de aquisição da propriedade. O imposto de transmissão inter vivos só é exigível quando ocorre ato translativo da propriedade, mas no usucapião isso não acontece, porque, sendo modo originário de adquirir a propriedade, tal aquisição é direta, isto é, se faz sem transmissão." (TJSC - RT 439/214)

Por derradeiro, considerando que o cumprimento da decisão agravada acarretará ônus financeiro irreversível para a Agravante e pelos motivos acima demonstrados, pugna pela suspensão do cumprimento da decisão agravada.

DOS PEDIDOS

Isto posto, requer seja conhecido e provido o presente Agravo de Instrumento, para reformar a decisão de fls. ...., proferida pelo Douto Juízo a quo, dispensando a Agravante da obrigação de averbar a partilha realizada na Ação de Divórcio anteriormente qualificada, junto à transcrição nº ...., Lº ...., da ....ª Circunscrição Imobiliária desta Comarca, como pressuposto para o prosseguimento do curso normal da presente Ação de Usucapião;

Requer ainda, pelos relevantes motivos acima apontados, a suspensão do cumprimento da decisão ora agravada até final pronunciamento desse Colendo Tribunal, com fulcro no art. 558, "caput", do CPC.

Por ser medida da mais lídima e cristalina JUSTIÇA!

Nesses Termos,
Pede Deferimento.

[Local], [dia] de [mês] de [ano].

[Assinatura do Advogado]
[Número de Inscrição na OAB]


Veja mais modelos de documentos de: Petição - Civil e processo civil
Impugnação aos embargos monitórios
Ação de cobrança, junto ao Juizado Especial Cível, em face de acordo não cumprido
Impugnar expressamente os cálculos apresentados pelo requerente
Ação anulatória de venda de bem de ascendente a descendente
Contra-razões de apelação em ação de cobrança relativa à assunção de débitos
Contestação à ação de cobrança interposta por seguradora
Agravo de instrumento no processo civil
Contestação, sob alegação de impossibilidade de indenização decorrente de contrato de seguro em g
Notificação judicial para que o réu se abstenha de deteriorar bens da autora
Pedido para recebimento de embargos de terceiro e suspensão da execução
Trata-se de pedido de rescisão de contrato de compra e venda de veículo oriundo de furto
Recurso de apelação para anulação de sentença, tendo em vista o cerceamento de defesa